AFP

Líder do Hamas Nasser Suleiman em coletiva de imprensa em 21 de maio

(afp_tickers)

O movimento islamita palestino Hamas criticou as declarações do presidente americano Donald Trump sobre o grupo, que considerou um ataque contra a "resistência" palestina.

"O verdadeiro tributo pago ao ISIS (grupo Estado Islâmico) (...), à Al-Qaeda, ao Hezbollah, ao Hamas e a tantos outros não se calcula em número de mortos, se calcula também em gerações de sonhos quebrados", afirmou Trump no domingo em um discurso em Riad.

O Hamas não aceita ser comparado a uma organização "terrorista", declarou à AFP Fawzi Barhum, porta-voz do Hamas na Faixa de Gaza, território governado pelo movimento islamita desde 2007.

As declarações de Trump "pretendem manchar a reputação da resistência palestina", denunciou.

Mushir Al Masri, alto dirigente do Hamas, acusou Trump de "alinhamento com as políticas do ocupante", Israel.

O Hamas é considerado uma organização terrorista por Israel, contra quem travou três guerras na Faixa de Gaza entre 2008 e 2014, Estados Unidos e União Europeia.

AFP

 AFP