Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Míssil palestino é destruído no ar por sistema de defesa israelense. A retomada da violência ocorre ao final de uma trégua humanitária na Faixa de Gaza, onde ao menos 1.000 palestinos, em sua grande maioria civis, morreram.

(afp_tickers)

O movimento islâmico palestino Hamas reivindicou neste sábado o disparo de sete foguetes contra Israel, incluindo dois sobre Tel Aviv, rejeitando de fato uma ampliação da trégua humanitária na Faixa de Gaza que expirou às 20H00 (14H00 Brasília).

O Exército hebreu, que aceitou a ampliação da trégua, havia comunicado três disparos de foguetes e tiros de morteiro a partir da Faixa de Gaza.

"Os terroristas escolheram utilizar a janela humanitária em Gaza" para atacar.

Antes do comunicado do Hamas assumindo os disparos de foguetes, um porta-voz do grupo no poder na Faixa de Gaza, Fawzi Barhum, alertou para a ausência de acordo "sobre uma extensão de quatro horas do cessar-fogo", mas sem rejeitar de forma clara uma ampliação da trégua.

A retomada da violência ocorre ao final de uma trégua humanitária na Faixa de Gaza, onde ao menos 1.000 palestinos, em sua grande maioria civis, morreram e outros 6.000 ficaram feridos desde o início da ofensiva israelense, no dia 8 de julho.

O Exército israelense perdeu 40 soldados, enquanto os foguetes lançados da Faixa de Gaza mataram três civis em Israel.

AFP