Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2007) O premier francês Dominique de Villepin responde a perguntas de alunos na Universidade de Harvard

(afp_tickers)

As universidades americanas mantêm seu domínio em um ranking anual chinês sobre as melhores instituições acadêmicas do mundo, com Harvard liderando a lista pelo 15º ano consecutivo, seguida de Stanford.

Com poucas alterações no "top 10" em relação à sua última edição, o "Ranking Acadêmico das Melhores Universidades do Mundo" é organizado pela Shanghai Ranking Consultancy, que monitora e avalia desde 2003 cerca de 500 instituições consideradas de ponta.

A recorrente baixa mobilidade institucional no topo do ranking é, aliás, um traço que se sobressai.

Em nota, a consultoria informa que, entre os indicadores considerados na comparação, estão alunos e professores ganhadores de Prêmios Nobel ou de medalhas em suas respectivas áreas, além de artigos publicados nos periódicos "Nature" e "Science".

A Universidade de Cambridge e o Massachusetts Institute of Technology (MIT) subiram posições, ocupando terceiro e quarto lugares, respectivamente, e empurrando a Universidade da Califórnia-Berkeley para o quinto lugar.

Princeton, Oxford, Columbia, California Institute of Technology e Chicago completam o "top 10".

Em 48º, a chinesa Tsinghua University integra pela primeira vez a lista das 50 principais universidades do mundo nesse ranking.

A instituição asiática mais bem colocada continua sendo a Tokyo University (24º), embora tenha perdido quatro posições. Na Europa, a melhor colocação é do Swiss Federal Institute of Technology, que fica em Zurique (19º).

A lista já foi alvo de críticas por privilegiar o campo de Exatas em detrimento da área de Humanidades.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP