Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem da Nasa mostra Harvey horas antes de chegar ao Texas

(afp_tickers)

O poderoso furacão Harvey tocou em terra na madrugada deste sábado no litoral do Texas e, apesar de ter caído de categoria 4 para 2, ainda representa muito perigo e pressagia inundações catastróficas.

Com ventos estáveis de 215 km/h, Harvey chegou em terra firme às 22H00 local (00H00 de Brasília) entre as cidades de Rockport e Port Aransas, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC), com sede em Miami.

"Chuvas torrenciais de hoje até segunda-feira", prognosticaram os serviços meteorológicos, antecipando de 38 a 88 cm de acumúlo de água em alguns lugares até a próxima quarta-feira.

Vários condados registraram na manhã deste sábado cerca de 25 cm de chuvas em 24 horas.

Ante o potecial devastador do fenômeno, o presidente Donald Trump declarou estado de catástrofe natural e, como pediu o governador do Texas, Greg Abbott, poderá liberar fundos federais para ajudar nas emergências.

Harvey, que se desloca lentamente, o que o torna mais perigoso, caiu da categoria 4 - de até 5 - para 3. Horas depois, o NHC o situou na categoria 2, com ventos de 155 km/h e, em seguida, para categoria 1.

O furacão poderá arrasar alguns imóveis e tornar várias zonas inabitáveis durante meses, advertiu o NHC. Harvey deve desacelerar durante o dia e serpentear sobre o sudeste do Texas até meados da próxima semana, segundo a fonte.

Dez pessoas ficaram feridas em Rockport pela queda de telhados, árvores arrancadas e veículos danificados, segundo um funcionário municipal, Kevin Carruth.

Harvey reacendeu nos Estados Unidos o trauma do furacão Katrina, que causou graves inundações e cobrou a vida de 1.800 pessoas quando atingiu a cidade de Nova Orleans em 2005.

"Não cometa os mesmos erros do Bush com o Katrina", alertou o senador republicano Chuck Grassley ao presidente Trump.

Naquele ano, a falta de preparação e as evidentes falhas do Estado federal tiveram consequências dramáticas. Além disso, o presidente George W. Bush foi muito criticado e acusado de indiferença ante a tragédia dos habitantes de uma região muito desfavorecida e majoritariamente negra.

Trump será informado da situação na residência presidencial de Camp David e planeja visitar a área afetada a partir da próxima semana, informou a Casa Branca.

Milhares de habitantes da costa do Golfo dos Estados Unidos receberam na sexta-feira ordens de evacuação, pois se teme que o furacão provoque inundações "devastadoras e ameaçadoras para a vida" em uma área em que as refinarias processam sete milhões de barris de petróleo por dia.

Os serviços de emergência estão em pé de guerra na cidade de 300.000 habitantes, enquanto as autoridades estão preocupadas com os vizinhos que se empenham em permanecer en seus lares, inclusive arriscando suas vidas.

A Guardia Costeira dos Estados Unidos assegurou que resgatou por ar dezenas de pessoas de Corpus Christi, uma cidade situada no Golfo de México e onde 26.000 habitantes já perderam o serviço de eletricidade, segundo a AEG Texas.

Muitos condados e cidades no Texas ordenaram a evacuação, enquanto outros, como Corpus Christi, a recomendaram.

Corpus Christi, que concentra a maioria das refinarias do Texas e aonde o furacão chegará na noite de sexta ou na madrugada de sábado, emitiu ordens de evacuação voluntária, enquanto as evacuações foram obrigatórias nos povoados costeiros de Port Aransas e Aransas Pass.

Autoridades de Houston, cidade que também está na trajetória prevista da tempestade, ordenaram o fechamento das escolas até segunda-feira.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP