Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Patty Glaser, advogada de Harvey Weinstein, em Nova York, em 17 de outubro de 2017

(afp_tickers)

Harvey Weinstein, o produtor de Hollywood denunciado por assédio, agressão sexual e estupro por dezenas de atrizes, modelos e assistentes, renunciou nesta terça-feira ao conselho administrativo da Weinstein Company, informou a revista Variety.

O poderoso produtor de cinema já havia sido demitido em 8 de outubro da empresa que copresidia e na qual possui 22% de participação. Mas até esta sexta-feira continuava sendo um dos integrantes do conselho administrativo.

Nem a direção da empresa nem os advogados de Weinstein, que participaram na terça-feira de uma reunião em Nova York, confirmaram imediatamente essas informações.

"Sem comentários", declarou ao fim de uma reunião Patti Glaser, uma de sua advogadas.

A Variety não deu nenhuma informação sobre as condições de sua saída.

O futuro da produtora é incerto desde que Weinstein caiu de seu pedestal de produtor com mais prêmios Oscar na história de Hollywood depois das revelações do jornal The New York Times e da revista The New Yorker de que há décadas assediou ou abusou sexualmente mais de 30 atrizes, como Gwyneth Paltrow e Angelina Jolie.

A empresa Weinstein Co. analisa a venda para enfrentar as dificuldades financeiras provocadas pelo escândalo, e iniciou diálogos para este fim com o fundo de investimentos Colony Capital, que na segunda-feira lhe auxiliou com dinheiro vivo.

O destino do irmão de Harvey, Bob Weinstein, cofundador da Weinstein Company, também é incerto. Muitos se questionam do quanto sabia sobre o comportamento de seu irmão.

A produtora Amanda Segel acusou Bob Weinstein nesta terça de assédio sexual, afirmação que foi desmentida por ele por meio de um porta-voz, segundo a Variety.

- Executivo da Amazon renuncia -

O diretor da filial de filmes e séries da Amazon, Roy Price, renunciou cinco dias depois de ser suspenso também por acusações de assédio sexual.

Uma fonte do estúdio confirmou à AFP sob reserva, sem dar mais detalhes sobre quem assumirá o seu cargo.

Isa Hackett, produtora de "The Man in the High Castle", contou ao semanário The Hollywood Reporter que Price a fez repetidas propostas sexuais em julho de 2015.

Hackett, filha do escritor Philip K. Dick, cuja obra é a base do seriado, afirmou que o executivo de 51 anos fez insinuações lascivas a caminho de uma festa da Comic-Con em San Diego, na Califórnia.

A produtora insistiu que não estava interessada e informou do comportamento de Price ao estúdio, que abriu uma investigação da qual nunca soube resultados.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP