Navigation

Havana volta a impor restrições devido ao aumento de casos da COVID-19

Mulher caminha em Havana usando máscara, em 29 de julho de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. agosto 2020 - 19:05
(AFP)

Cuba, que parecia ver a luz no fim do túnel no combate à COVID-19, precisou voltar a restringir a circulação de veículos e pessoas na capital, Havana, após registrar o maior número diário de casos em três meses nesta sexta-feira (7).

"Hoje, (é um dia) ruim, não podemos dizer mais nada", disse o chefe de Epidemiologia do Ministério da Saúde Pública, Francisco Durán, ao iniciar sua habitual entrevista coletiva sobre a pandemia.

Na noite de quinta-feira, 54 novos casos foram confirmados, 43 deles em Havana, o que representa o "maior número" nos "últimos meses", segundo Durán.

Este é o maior número diário desde 1º de maio, quando foram registrados 74 casos. Em 19 de julho, a ilha havia conseguido reduzir os casos diários a zero pela primeira vez desde março, no início da pandemia.

Porém, imediatamente após iniciar o processo de reabertura e relaxamento das medidas de confinamento, foram registrados novos casos, em uma média de trinta por dia. Os aeroportos ainda estão fechados.

Para controlar este surto na capital cubana, o governo aprovou na quinta-feira um plano que restringe a circulação de pessoas e do transporte público até às 23h.

Também proíbe o transporte entre Havana e as províncias vizinhas de Matanzas, Artemisa e Mayabeque, e reduz o horário de funcionamento de bares, restaurantes e casas noturnas até às 21h. O plano foi divulgado nesta sexta-feira por veículos oficiais.

Até a noite de quinta-feira, Cuba registrava 2.829 casos, sendo 88 óbitos, e 2.429 curados, em uma estratégia que deu resultados: isolar os contatos do doente e manter as pessoas consideradas de risco sob observação médica.

Havana, com 168 casos da COVID-19, e a vizinha província de Mayabeque (114), foram os últimos epicentros da doença, quase erradicada nas outras 13 províncias.

A capital concentra 2,2 milhões dos 11,2 milhões de habitantes do país.

Segundo as autoridades, as maiores fontes atuais de contágio são as festas religiosas e as celebrações de cultos de matriz africana, assim como os encontros noturnos em bares e outros locais de entretenimento.

"Não temos o direito de flexibilizar nosso comportamento, não temos o direito de diminuir a percepção de risco, não temos o direito de descansar em relação à aplicação das medidas", afirmou o presidente, Miguel Díaz-Canel, na quinta-feira.

O primeiro-ministro, Manuel Marrero, disse que se não se reverter a situação atual, "não haverá outra alternativa senão passar (...) do isolamento físico que estamos pedindo ao isolamento social (confinamento) no enfrentamento da epidemia".

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.