Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bandeira da Holanda é vista em Kinderdijk em 26 de julho de 2017

(afp_tickers)

O ministro holandês da Defesa anunciou nesta quinta-feira uma investigação sobre supostos abusos, maus-tratos e estupros dentro do exército, após as revelações de três soldados.

Os recrutas afirmaram que abandonaram em 2014 sua unidade de Schaarsbergen, no município de Arnhem (oeste), depois que foram vítimas de abusos cometidos por suboficiais, informou o jornal De Volkskrant.

Um deles, que recentemente tentou cometer suicídio, levou caso à polícia militar há duas semanas, com acusações de agressões, maus-tratos, abuso, tráfico e uso de drogas, roubo de munições e porte proibido de armas no quartel.

Posteriormente a polícia militar iniciou uma investigação penal.

De acordo com o jornal De Volkskrant, os comandantes do exército urinavam "sistematicamente" sobre os soldados e aconteceram estupros com dedos em luvas de látex.

Até o momento quatro militares foram punidos. Eles foram destituídos, transferidos e receberam uma "mensagem oficial negativa", segundo o jornal De Volkskrant.

"É muito importante para a defesa dar aos colegas o apoio que precisam", disse a secretária de Estado de Defesa, Barbara Visser, que afirmou estar "escandalizada" com as revelações.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP