Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) A premier britânica, Theresa May

(afp_tickers)

Três homens acusados ​​de terrorismo compareceram nesta quarta-feira (6) diante de um tribunal de Londres - um deles por planejar o assassinato da primeira-ministra britânica, Theresa May; outro, por tentar transformar o príncipe George em alvo.

Husnain Rashid, um britânico de 31 anos preso em 22 de novembro, é acusado de publicar no programa criptografado Telegram informações que poderiam ser usadas para realizar ataques contra alvos potenciais, como estádios, mas também contra o pequeno príncipe George, de 4 anos, de quem compartilhou uma foto e o endereço da escola.

De acordo com a acusação, ele também planejava viajar para a Síria para lutar nas fileiras do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

A magistrada Emma Arbuthnot ordenou sua detenção durante a audiência, na qual ele se recusou a revelar sua identidade, assim como os outros dois homens que compareceram perante a juíza em outro caso de terrorismo.

Os três homens vão comparecer diante do tribunal penal de Old Bailey, em Londres, em 20 de dezembro.

Naa'imur Zakariyah Rahman, de 20, é acusado de planejar colocar uma bomba nas barreiras de segurança de Downing Street, a residência oficial da chefe de Governo, e depois entrar no local para esfaqueá-la, descreveu o procurador Mark Carrol na audiência que durou menos de dez minutos.

Ele planejava usar um cinto de explosivos, uma bomba de gás lacrimogêneo e uma faca, declarou aos magistrados do tribunal de Westminster.

Ele é acusado de planejar atos terroristas e ajudar outro homem, Mohammed Aqib Imran, de 21 anos, a preparar outro ataque. Também é suspeito de tentar se juntar ao EI, tentando obter um passaporte falso para viajar para a Líbia.

Os dois foram presos em 28 de novembro. Rahman carregava dois dispositivos explosivos improvisados ​​inertes, enquanto o outro estava em posse de um vídeo gravado por Rahman.

Na audiência, Naa'imur Zakariyah Rahman, de longos cabelos pretos, confirmou seu nome e data de nascimento e disse que não tinha domicílio fixo. "Sou britânico bengali, sou bengali", declarou sobre sua nacionalidade.

Com cabelos curtos e barba, Mohammed Aqib Imran disse que era "britânico paquistanês".

Cinco ataques foram cometidos no Reino Unido desde março. Quatro deles foram reivindicados pelo EI, resultando em 36 mortos e quase 200 feridos.

A descoberta desse plano contra a premiê foi revelada quando a ministra do Interior, Amber Rudd, disse na terça-feira que "22 complôs terroristas islâmicos" foram frustrados desde o assassinato de um soldado em Londres, em maio de 2013. Nove deles foram desmantelados desde o atentado cometido em março na ponte de Westminster e em frente ao Parlamento.

"O Reino Unido enfrenta uma ameaça terrorista intensa que é multidimensional, evolui rapidamente e opera a uma escala e ritmo nunca vistos no passado", comentou a polícia londrina nesta terça-feira.

De acordo com a polícia, "mais de 500 investigações ligadas ao terrorismo estão em andamento, envolvendo mais de 3.000 pessoas", acrescentando que mais de 20.000 outras já foram investigadas por terrorismo no passado.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP