Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto tirada em 28 de fevereiro de 2011 mostra o homem das neves Otzi, descoberto em 1991, em Bolzano

(afp_tickers)

O "homem das neves" Otzi, cujo corpo mumificado foi descoberto em 1991 nos Alpes entre a Itália e a Áustria, teria comido bacon de cabra montesa pouco antes de morrer, o que prova que sua cultura conhecia a técnica de secagem de carne para conservá-la.

"A última coisa que comeu foi uma carne muito gordurosa e seca, sem dúvida uma espécie de toucinho", declarou o diretor do instituto de Bolzano (Itália), Albert Zink, em uma conferência em Viena na quarta-feira à noite.

Os pesquisadores já sabiam desde 2011 que Otzi tinha comido cabra montesa antes de morrer por uma flechada há mais de 5.000 anos no alto do vale Otz, a 3.210 metros de altitude, mas até agora pensavam que se tratava de carne cozida.

Novos estudos moleculares do conteúdo de seu estômago estabeleceram que se tratava de carne seca, que "conserva suas fibras", estruturas que "são destruídas quando se cozinha", ressaltou Zink.

Esta descoberta prova que Otzi ou seus familiares conheciam a técnica de secagem de carne, que possibilita a conservação e o transporte deste alimento, observou.

Em 19 de setembro de 1991, dois montanhistas alemães encontraram o corpo de Otzi, que estava tão bem conservado que a polícia abriu uma investigação para determinar a causa da morte.

Para os pesquisadores, Otzi é uma mina de informações. A análise das bactérias encontradas em seu estômago sugerem que a onda migratória a partir do Oriente Médio ocorreu há menos tempo do que se pensava anteriormente.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP