Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Parentes de pacientes do hospital Baba Raghav Das Hospital em Gorakhpur, no norte da Índia

(afp_tickers)

Com sua superpopulação de pacientes e higiene duvidosa, o hospital de Gorakhpur (norte da Índia), no centro da polêmica após a morte de dezenas de crianças, é o retrato triste de um sistema de saúde pública deficiente e subfinanciado.

A morte, na semana passada, de 85 crianças e bebês em apenas alguns dias no hospital universitário de Baba Raghav Das, no estado pobre de Uttar Pradesh, provocou um escândalo no país.

As circunstâncias da tragédia estão pouco claras: enquanto as autoridades culpam uma epidemia local de encefalite, meios de comunicação indianos atribuem ao menos uma parte destas mortes à escassez de cilindros de oxigênio no estabelecimento médico, devido à falta de pagamento aos fornecedores.

Alguns pais inclusive tiveram que passar horas fornecendo oxigênio aos seus filhos com bombas manuais para mantê-los com vida.

"Estas mortes não mudarão nada no curto prazo e não é um simples problema de oxigênio. A deterioração está em estado avançado e o sistema deve ser completamente reformado", reconhece à AFP um encarregado do hospital sob condição de anonimato.

No serviço de pediatria do hospital, é preciso abrir caminho entre as dezenas de pessoas que esperam sentadas no chão do corredor. Muitos são pobres que não têm recursos para ir a centros de atendimento privados.

A fileira de pessoas leva a uma série de quartos com crianças doentes e os familiares que cuidam deles. No serviço de neonatologia, algumas camas estão ocupadas por três ou quatro recém-nascidos devido à falta de espaço.

Um leve cheiro de urina ainda emana dos muros, apesar das tentativas vigorosas de eliminá-lo antes da visita do dirigente de Uttar Pradesh, no fim de semana passado, para avaliar a situação.

- "Caminhamos no escuro" -

"Tenho consciência de que a higiene é muito ruim aqui e que há riscos de infecções. Sejam quais forem as carências, vamos trabalhar para resolvê-las", garantiu P.K Singh, o novo diretor do hospital. Seu antecessor foi despedido após o escândalo, na semana passada.

A Índia, gigante demográfico do sul da Ásia, destina muito menos recursos à saúde púbica do que o resto do planeta. Em 2014, o país dedicava apenas 1,5% do seu PIB a este setor, em comparação com os 6% em média do resto dos países, segundo dados do Banco Mundial.

Há uma grave falta de pessoal. O distrito de Gorakhpur, com quase 4,5 milhões de pessoas, só conta com cinco pediatras e 22 centros de tratamento da encefalite, apesar dos estragos que esta doença, transmitida por mosquitos, causa todos os anos na região.

Ravindra Kumar, a maior autoridade médica do distrito, reconhece sua impotência diante desta situação.

"Caminhamos no escuro, sem ter ideia das causas, métodos de prevenção e tratamento da encefalite", declara à AFP.

Desde o início do ano, 127 pessoas sucumbiram à uma encefalite aguda em Uttar Pradesh, estado com 220 milhões de habitantes, segundo estatísticas oficiais de 6 de agosto.

Prasad, um agricultor pobre, percorreu 65 km para levar sua filha Anushka Prasad, afetada por uma febre alta, ao hospital Baba Raghav Das.

Entre a confusão e multidão, Prasad precisa ter paciência, enquanto o pessoal médico às vezes parece ser invisível. Não sabe sequer o que está acontecendo com sua filha.

"Provavelmente tem pneumonia. Não sei, os médicos não me disseram nada", diz resignado.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP