Navigation

Humanos pré-históricos podem ter operado vacas

Imagem mostra reconstrução em 3D de um crânio de vaca com um buraco produzido por trepanação. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 19. abril 2018 - 19:10
(AFP)

Um buraco no crânio de uma vaca da pré-história provavelmente foi feito por humanos - um veterinário ou cirurgião -, há cerca de 5.000 anos, revelaram cientistas nesta quinta-feira (19).

O buraco parece ter sido meticulosamente esculpido na cabeça do animal, mas não está claro se se tratou de uma operação para salvar a vaca ou de um treino para cirurgias em humanos, relatou uma dupla de antropólogos na revista Scientific Reports.

De uma forma ou de outra, parece representar o mais antigo exemplo conhecido de "trepanação" veterinária - a perfuração de um buraco no crânio, disseram.

"Há muitos crânios (humanos) neolíticos na Europa que trazem as marcas de trepanação. Mas nunca vimos isso em animais", disse à AFP o coautor Fernando Ramirez Rozzi, do instituto francês de pesquisa CNRS.

A era neolítica foi o capítulo final da Idade da Pedra - uma época em que os humanos pré-históricos, nômades caçadores-coletores até então, tentaram pela primeira vez cultivar plantações e construir aldeias permanentes.

O crânio de vaca vem de um sítio arqueológico no oeste da França, habitado por uma comunidade da Idade da Pedra entre 3.400 e 3.000 aC.

Fragmentos de ossos espalhados pelo acampamento mostraram que as vacas eram a principal fonte de alimento, junto com porcos, ovelhas e cabras.

Pensou-se a princípio que o buraco, do tamanho de uma caixa de fósforos, tinha sido feito quando a vaca foi atingida por outro animal com chifres em uma briga.

Mas em uma inspeção mais minuciosa com scanners de alta definição, a equipe não encontrou nenhum estilhaço ou fratura consistente com um golpe tão forte.

A perfuração era muito regular para ter sido o resultado de uma peste corrosiva, e não parece ter sido feita por um tumor ou doença infecciosa, como sífilis ou tuberculose, já que o crânio não mostrava nenhum outro sinal de doença.

- Morta ou viva? -

Um ritual religioso também parecia uma explicação improvável, já que o crânio foi jogado fora com o lixo.

Marcas de corte e raspagem foram encontradas ao redor do buraco, disse Rozzi - similar às observadas em crânios humanos neolíticos nos quais buracos haviam sido perfurados.

"Acredito que a evidência de trepanação é irrefutável", acrescentou o pesquisador. "É a única explicação possível".

Mas por que um humano da Idade da Pedra operaria um animal?

"Há duas explicações possíveis", segundo Rozzi. "Ou eles estavam tratando a vaca, ou estavam praticando nela antes de tentarem uma cirurgia em humanos".

A primeira opção parecia improvável, acrescentou, dado que havia vacas em abundância.

A equipe não pôde determinar se o buraco foi feito enquanto a vaca ainda estava viva ou após sua morte.

O osso, no entanto, não tinha começado a crescer de volta em torno do buraco, o que mostrou que ou a vaca não sobreviveu à operação ou foi cortada após a morte.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.