Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Iemenitas participam de manifestação pedindo o bloqueio da coalizão liderada pela Arábia Saudita, em Sanaa, em 13 de novembro de 2017

(afp_tickers)

A ONU voltou a pedir nesta segunda-feira (13) a suspensão total dos bloqueios impostos há uma semana no Iêmen pela coalizão liderada pela Arábia Saudita, enquanto Riad ordenou controles reforçados aos carregamentos de ajuda humanitária para evitar o tráfico de armas.

As agências humanitárias precisam de "acesso total" a todos os portos e aeroportos, declarou à imprensa o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric. Não se trata somente de ter acesso a certos portos de onde é preciso atravessar as linhas de frente para compartilhar a ajuda humanitária, disse.

A urgência existe e "a contagem regressiva" começou, ressaltou.

"Restam 11 dias para o esgotamento das provisões de arroz", "97 antes que se acabe o trigo", "em 20 dias não haverá mais combustível no norte e em dez pontos essenciais" dessa zona, acrescentou, destacando que os preços já aumentaram consideravelmente.

"A situação sanitária se degrada rapidamente", avaliou.

"O conjunto da população do Iêmen é dependente das importações de alimentos, de combustível e de medicamentos. Mais de 17 milhões de iemenitas, mais de dois terços da população, sofrem de falta de comida", acrescentou Dujarric.

Em coletiva de imprensa, o embaixador saudita na ONU, Abdallah al-Mouallimi, garantiu que todos os portos e aeroportos serão reabertos quando seu país estiver "satisfeito com o reforço dos procedimentos de controle" dos carregamentos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP