Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Entrada da sede da IBM, em Armonk, Nova York, no dia 20 de março de 2009

(afp_tickers)

A multinacional IBM anunciou na quarta-feira que colocará poderosas ferramentas tecnológicas a serviço dos cientistas e das organizações humanitárias que lutam contra o vírus zika.

A oferta inclui softwares e ferramentas on-line que permitem analisar grandes quantidades de dados, para ajudar a antecipar a propagação da epidemia.

A IBM anunciou que vai colaborar, por exemplo, com o instituto de pesquisas brasileiro Fiocruz, associado ao Ministério da Saúde, para identificar as inquietações sobre o zika expressadas pelos cidadãos nas redes sociais.

Estas ferramentas de análise permitem coletar e interpretar grande quantidade de mensagens publicadas no Twitter sobre temas como a zika, dengue, chikungunya ou o Aedes aegypti, mosquito que serve como vetor para estas doenças.

"Os relatórios que a IBM vai produzir junto com a Fiocruz vão permitir fazer recomendações práticas diretas para os responsáveis de saúde pública", indicou a empresa em um comunicado.

A IBM também oferecerá formação aos cientistas da Fiocruz para utilizar um programa que permite visualizar a propagação de doenças infecciosas tendo em conta fatores geográficos, climáticos ou de deslocamento humano.

Este programa, denominado STEM, foi usado antes para identificar a propagação do vírus do ebola ou de certos tipos de gripe e dos contágios com a malária ou a dengue.

A multinacional vai permitir, ainda, que a Unicef tenha acesso gratuito durante um ano às bases de dados meteorológicos recolhidos pela sua empresa The Weather Company.

A IBM lançou recentemente o projeto OpenZika, uma pesquisa de colaboração global que tem como objetivo identificar substâncias com potencial para tratar o vírus.

Através de um aplicativo gratuito, qualquer pessoa que possua um computador ou um smartphone operado com o sistema Android pode contribuir com o projeto, disponibilizando seus ciclos de CPU que não estão sendo usados para que os cientistas processem milhões de dados.

Segundo a IBM, nos dois primeiros meses da iniciativa mais de 50.000 voluntários inscreveram seus aparelhos, o que permitiu realizar mais de 20.000 experimentos.

Com cerca de 1,5 milhão de infectados, o Brasil é o país mais afetado pelo surto atual de zika, que apareceu na América Latina em 2015 e se propagou rapidamente pela região.

Este vírus, detectado pela primeira vez na Uganda em 1947, se propaga na maioria das vezes através do Aedes aegypti, presente em 130 países e que também transmite a dengue, a febre amarela e a chikungunya.

Estudos recentes mostram que a doença também pode ser transmitida sexualmente entre seres humanos portadores do vírus.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ao menos uma dúzia de laboratórios e agências públicas do mundo estão trabalhando em uma vacina, cuja comercialização poderia levar anos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP