Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Clientes aguardam diante de loja da Ikea, em Belgrado, em 10 de agosto de 2017

(afp_tickers)

A Ikea, líder mundial na venda de móveis, vai comprar a empresa americana TaskRabbit, o que marcará sua entrada no setor da "economia colaborativa".

A TaskRabbit oferece uma plataforma on-line na qual as pessoas podem contratar um trabalhador independente para qualquer reparo em casa ou outros serviços, de um vazamento de água, montagem de móveis até esperar em uma fila de uma loja da Apple para comprar um novo iPhone no dia do lançamento.

Fundada há nove anos, a TaskRabbit, com sede em San Francisco, está presente em 40 cidades americanas e em Londres.

"Por meio de nossa plataforma de demanda única, a TaskRabbit está tornando a vida melhor para ambos, consumidores e 'Taskers'" (prestadores de serviços), afirmou a diretora executiva da empresa, Stacy Brown-Philpot.

A TaskRabbit espera que a fusão com o grupo Ikea permita uma maior oferta de serviços e mais possibilidades para que os "taskers" recebam mais dinheiro.

Os termos financeiros da aquisição não foram revelados. A TaskRabbit continuará operando como uma empresa independente, de acordo com a Ikea, que foi fundada na Suécia mas tem sede na Holanda.

No final do ano passado, a Ikea testou com sucesso a TaskRabbit, que passou a ajudar seus clientes a montar os móveis.

Com esta compra, a Ikea entra no setor da "economia colaborativa".

"Em um ambiente que muda rapidamente, nos esforçamos continuamente para desenvolver novos e melhores produtos e serviços para tornar a vida de nossos clientes um pouco mais fácil", afirmou o presidente executivo da Ikea, Jesper Brodin, em um comunicado conjunto.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP