Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Dois homens exibem peixes após competição de pesca submarina em Hanga Roa, em Tapati, Ilha de Páscoa, fevereiro de 2015

(afp_tickers)

Os indígenas rapanui, que habitam a Ilha de Páscoa, aprovaram a criação de uma gigantesca área marinha protegida, anunciou o governo chileno nesta segunda-feira.

Em consulta popular, os indígenas aprovaram a criação de uma zona de proteção que, junto a um parque marinho já existente, completará uma reserva de cerca de 720 mil km2 em torno deste emblemático território insular chileno no meio do Pacífico, a 3.500 km do continente.

A aprovação "constitui uma medida que formará a maior reserva da América Latina em relação a áreas marinhas costeiras", ressaltou o ministro do Meio Ambiente, Marcelo Mena, durante o quarto Congresso de Áreas Marinhas Protegidas IMPAC4, iniciado nesta segunda-feira na cidade de La Serena, no norte do Chile.

Para o chanceler chileno, Heraldo Muñoz, trata-se de uma "conquista histórica" e a confirmação de que o governo Michelle Bachelet investiu forte na defesa do meio ambiente.

A consulta, realizada no domingo com a participação de 642 indígenas, aprovou ainda com a administração conjunta do Estado chileno que a pesca na região "será realizada exclusivamente com técnicas e aparelhos artesanais do povo rapanui".

"Foi um processo longo e entendemos que a luta acaba de começar. Como povo, continuamos gritando, continuamos dizendo: 'não à pesca ilegal', 'não à pesca industrial em nossa águas', 'não à mineração', queremos ser um exemplo em nível internacional", apontou Poki Tane Haoa, vice-comissário do governo na Ilha de Páscoa.

De características tropicais, as águas da Ilha de Páscoa são quentes e baixas em nutrientes. Em volta da ilha e em baixas profundidades, é possível encontrar recifes de coral, que dado seu isolamento possuem espécies que são únicas no mundo.

Mas hoje várias ameaças põem em risco as espécies marinhas da ilha, como a superexploração de seus recursos pesqueiros, o número crescente de visitantes, a introdução de espécies exóticas invasoras, a acidificação do oceano e as mudanças climáticas.

O Chile anunciou sua intenção de criar extensas áreas marinhas protegidas ao longo do oceano Pacífico. O parque marinho em Nazca-Desventuradas, próximo ao arquipélago Juan Fernández (cerca de 650 km a oeste de Santiago), e áreas de conservação em volta do Cabo Horn, no extremo sul do território chileno, completam o plano oficial.

Ao somar as áreas terrestres protegidas, com uma rede de parques nacionais na Patagônia - que ocupam cerca de 4,5 milhões de hectares - "estamos chegando à maior criação de áreas protegidas do Chile", disse Mena.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP