Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2016) Migrantes tentam retirar um bebê da água enquanto aguardam para serem resgatados, no litoral da Líbia

(afp_tickers)

A onda de migrantes que procuram chegar à Europa mudou de rota, uma vez que o percurso através da Grécia, passando pela Turquia, está quase fechado, mas grupos cada vez mais numerosos arriscam suas vidas cruzando o Mediterrâneo em sua tentativa de chegar à Itália a partir da costa da Líbia.

Esta tendência fez prosperar redes criminosas, forçando a Europa a reforçar a sua agência responsável por vigiar as fronteiras, a Frontex.

Este organismo desempenha o papel de polícia, boa e má, resgatando por um lado os náufragos, mas levando-os para abrigos onde correm o risco de ser devolvidos aos seus países.

O diretor da Frontex, Fabrice Leggeri, resumiu a situação em uma entrevista à AFP.

- Quem são os migrantes?

Na costa grega, entre "80 e 100 pessoas chegam a cada dia, enquanto esse número chegou a alcançar 2.500 por dia" antes do acordo firmado com a Turquia em março 2016, indica o diretor da agência.

Mas, por outro lado, o número de pessoas que chegam à Europa procedentes da África pelo Mediterrâneo central e pela Líbia, sofreu um aumento de mais de 40%. A maioria deles vêm de países da África Ocidental, como Senegal, Guiné e Nigéria.

Ao longo de 2016, este número totalizou 180.000. A maioria são pessoas que emigram por motivos econômicos, que são transportadas por traficantes de seres humanos. Entre elas há muitos jovens, mas também famílias e mulheres.

Muitas nigerianas são exploradas sexualmente na Europa. No entanto, "não são os mais pobres que deixam o seu país, porque devem pagar os contrabandistas", aponta Leggeri.

Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), mais de um milhão de pessoas chegaram na UE em 2015, das quais 850.000 entraram pela costa grega. A maioria veio da Síria (56%), Afeganistão (24%) e Iraque (10%).

Após a conclusão em março do ano seguinte de um acordo com Ancara, o total de chegadas por mar caiu para cerca de 363.000 em 2016, de acordo com a OIM.

"Cerca de 36.000 migrantes chegaram na Itália desde o início do ano, ou seja, um aumento de 43% em relação ao mesmo período do ano passado", segundo dados da Frontex, que compila dados até meados de abril.

- Quem são os traficantes? -

No início da parte perigosa da viagem, no deserto do Saara, os migrantes são transportados por tuaregues ou tubus.

"Essas tribos, muitas vezes nômades (...) estavam acostumadas a atravessar turistas e agora fazem o transporte de migrantes", e não necessariamente "têm consciência de que fazem algo criminoso", afirma Leggeri.

Em contrapartida, para atravessar o Mediterrâneo, atuam redes criminosas, grandes e pequenas.

Na parte inferior da escala do sistema estão os pequenos intermediários, por vezes, os próprios migrantes, que para pagar a sua viagem assumem o comando das precárias embarcações, sobrecarregadas de passageiros, explica o funcionário.

Depois, há os encarregados de arrecadar o dinheiro e organizar a viagem, mas que não participam na viagem e, logo acima, os chefes que gerenciam as redes, entre os quais há perfis de pessoas que "provavelmente passaram pela polícia" líbia, revela.

- Quanto dinheiro arrecadam ? -

Não é fácil estimar números concretos, mas de acordo com um recente relatório da Europol, estas redes teriam recebido entre 4,7 e 5,7 bilhões de euros em 2015 (este número caiu para cerca de 2 bilhões de euros em 2016).

Com esses ganhos, os grandes traficantes muitas vezes lançam-se em outras atividades criminosas para às quais necessitam de capital inicial, "seja tráfico de drogas e de armas, e até mesmo, algo que não se pode excluir, o financiamento do terrorismo", acrescenta o diretor da Frontex.

- Por onde passam os migrantes? -

Aqueles que chegam da África Ocidental começam sua viagem de ônibus, segundo Fabrice Leggeri. O território da Comunidade Econômica dos Estados do Oeste Africano (CEDEAO) é semelhante ao Espaço Schengen europeu, e pela região se viaja livremente por uma pequena soma de cerca de 20 euros.

Uma vez em Niamey, capital do Níger, entra-se no terreno de ilegalidade, uma vez que deve-se desembolsar até 150 euros para chegar à fronteira com a Líbia.

Em seguida, vem a travessia, para a qual o preço pode chegar até mil euros, dependendo do barco, mas também é possível encontrar barcos infláveis ​onde se viaja em condições de insegurança total por cerca de 300 euros.

A rota do Leste Africano, a partir do Chifre da África, é utilizada por eritreus, somalis e etíopes.

É a mais cara, de acordo com Leggeri.

Esta viagem é organizada por grupos criminosos de cada nação que cooperam entre si. Desta forma, uma rede sudanesa entrega seus clientes aos traficantes líbios na fronteira, por exemplo.

"Lá, a taxa para ir do Chifre da África para a Itália pode subir para 3.000 euros", estima.

- O que a UE tem feito? -

Em 2015, a crise migratória que atingiu a Grécia marcou um antes e um depois. A Europa deu mais poderes e mais recursos para a Frontex.

"No início de 2015, éramos capazes de mobilizar entre 300 e 350 guardas de fronteira", lembra Fabrice Leggeri.

Atualmente, "somos capazes de ter 1.300 ou 1.400 guardas mobilizados simultaneamente em vários locais de operações".

Em 2016, a Europa criou um grupo de reação rápida: com o qual 1.500 guardas de fronteira podem ser mobilizados dentro de cinco dias úteis, se necessário.

Ao mesmo tempo, a Frontex trabalha para parar os fluxos migratórios antes que cheguem ao Mediterrâneo. A agência abriu um escritório em Niamey para reforçar a sua cooperação com o Níger.

Paradoxalmente, os salvamentos encorajam a migração e beneficiam os traficantes que lançam as pessoas em pequenos barcos inaptos, assumindo o risco de que se caíram no mar serão assistidos.

"Em 2016, reconheceu Leggeri, nunca tivemos tantos navios patrulhando o Mediterrâneo (...) e, infelizmente, nunca houve tandos mortos, 4.000 vítimas contabilizadas com certeza pela OIM".

Há uma mensagem a transmitir, que é a de que o paraíso que desejam alcançar "é uma mentira".

"Ou se morre no Mediterrâneo, ou se chega à Europa em condições extremamente deploráveis. O que não é descrito pelos traficantes. E, além disso, na medida em que a UE reforça sua política de retorno, o que poderia acontecer é os migrantes perderem as suas economias para pagar traficantes e no final da viagem serem embarcados em aviões para levá-los de volta para seus países de origem ".

- A crise vai acabar ? -

A pressão migratória nas fronteiras da Europa não é passageira. As guerras e a instabilidade na Síria, Iraque, Líbia ou no Sahel, impulsionam para a Europa requerentes de asilo autênticos. O mesmo vale para as indignantes disparidades econômicas, a pobreza e a demografia galopante.

Se os países de origem não forem capazes de oferecer aos seus cidadãos um nível de vida e perspectivas adequadas, "como sempre aconteceu na história, os homens e as mulheres vão continuar a viajar", conclui Leggeri.

AFP