Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O bairro la Recoleta en Buenos Aires, no dia 22 de junho de 2017

(afp_tickers)

A Argentina registrou uma inflação de 1,4% no mês passado e acumula 15,4% entre janeiro e agosto deste ano, informou nesta terça-feira o Instituto Nacional de Estatísticas e Censo (Indec) do país.

O item que mais avançou foi a saúde (2,5%), seguido por moradia, água, eletricidade e gás (2,2%) e alimentos e bebidas (2,1%).

O governo mantém seu objetivo de fechar o ano com 17% de inflação.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estimou, em seu último informe, que a inflação na Argentina deve chegar a 25,6% neste ano.

A estimativa de consultores foi de que os preços variaram mais de 40% no ano passado, após uma desvalorização de cerca de 30% estimulada pelo governo.

O índice oficial da inflação de agosto está levemente abaixo do que foi divulgado na segunda-feira por deputados opositores, baseado em uma média de cálculos de consultorias, que estimou 1,5% de alta nos preços neste mês.

"Parece já estar se confirmando que, pelo oitavo ano seguido, a inflação não poderá respeitar o teto de 20%, já que para fazê-lo deveria registrar em média apenas 0,9% nos próximos quatro meses, quando ainda vão acontecer as altas pendentes de tarifas", alertaram os legisladores.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP