Navigation

Inundações deixam mais de 1.400 afetados no Uruguai

Casal atravessa uma rua alagada em Solymar, localidade de Ciudad de la Costa, 20 km ao leste de Montevidéu, em 7 de fevereiro de 2014 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. julho 2014 - 00:10
(AFP)

Mil, quatrocentas e cinquenta pessoas estavam fora de suas casas nesta segunda-feira no Uruguai por inundações provocadas na maioria pela cheia de um rio fronteiriço na Argentina, embora o governo local informou que a situação está "controlada".

"Aumentou para 1.450 o número de pessoas deslocadas em todo o país por causa das inundações: 342 evacuadas e 1.108 auto-evacuadas", dos 1.035 deslocados registrados no domingo, informou o Sistema Nacional de Emergências (SINAE).

Mais cedo, o pró-secretário da Presidência e diretor do SINAE, Diego Cánepa, disse em coletiva de imprensa que "a situação está controlada em nível nacional" depois de vários dias com inundações, principalmente no norte do país, sem que tenham sido registrados falecidos.

A cheia do rio Uruguai, na fronteira com a Argentina, afetou a zona norte do país, deixando 651 deslocados no departamento (estado) de Paysandú, 469 no de Salto e 291 no de Artigas, a maioria auto-evacuados.

Apesar da situação, os centros termais de Salto continuam funcionando normalmente, informou à AFP uma fonte do governo do estado, em um momento em que a região recebe milhares de visitantes devido ao período de férias de inverno em centros educacionais.

A cheia de outros rios e riachos deixou 17 afetados em Durazno (centro) e 22 em Canelones (sul).

Sete estradas nacionais, por sua vez, mantêm trechos cortados por causa das inundações.

Os prognósticos meteorológicos preveem falta de chuvas nos próximos dias, razão pela qual espera que lentamente as famílias possam voltar para suas casas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.