Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2016) Imagens da Agência Espacial Europeia mostram o local de pouso do módulo europeu Schiaparelli antes de sua queda em Marte

(afp_tickers)

Um software se viu perturbado "por informações contraditórias" imediatamente antes da aterrissagem em Marte. Esta é uma das conclusões da investigação encomendada pela Agência Espacial Europeia (ESA) sobre o acidente com o módulo europeu Schiaparelli em 19 de outubro do ano passado.

A aventura do módulo de aterrissagem experimental, que acabava de realizar uma viagem de sete meses para Marte levando uma sonda russo-europeia, terminou brutalmente com uma queda livre de 3,7 km.

O impacto com o solo ocorreu a uma velocidade de 540 km/h.

A investigação, conduzida por peritos independentes sob a presidência do inspetor-geral da ESA, divulgada na internet na quarta-feira à noite, confirma a primeira hipótese avançada pela agência em novembro.

Também faz uma série de recomendações para evitar tais "falhas ou fraquezas" no futuro, segundo a agência.

Europa e Rússia preparam uma missão conjunta, ambiciosa e delicada, que planeja enviar a Marte em 2020 um robô móvel encarregado de perfurar o solo para tentar encontrar sinais de vida passada.

"Há claramente uma série de questões que deveriam ter recebido mais atenção na preparação, validação e verificação do sistema de entrada, descida e aterrissagem", observa David Parker, diretor de voos tripulados e robótica da ESA.

"Vamos considerar as lições" do episódio para a preparação da missão ExoMars 2020, acrescentou.

Até agora, apenas os americanos conseguiram pousar em Marte aparelhos experimentais.

O relatório da investigação europeia salienta que o módulo experimental Schiaparelli "esteva muito perto de pousar com sucesso em Marte no lugar previsto".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP