Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma comissão de inquérito do governo birmanês exonerou as forças de segurança das acusações de estupros sistemáticos, assassinatos e incêndios criminosos contra a minoria muçulmana dos rohingyas, apresentadas pelas Nações Unidas.

(afp_tickers)

Uma comissão de inquérito do governo birmanês exonerou as forças de segurança das acusações de estupros sistemáticos, assassinatos e incêndios criminosos contra a minoria muçulmana dos rohingyas apresentadas pelas Nações Unidas.

Esta comissão investigou a violência que atinge o estado de Rajin (noroeste) desde o ataque de militantes rohingyas em outubro contra várias postos policiais perto da fronteira com Bangladesh.

Desde então, mais de 70.000 rohingyas fugiram da região para o vizinho Bangladesh, em meio a uma grande repressão do Exército birmanês.

A ofensiva do Exército durou vários meses, de acordo com o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, e levou a uma "limpeza étnica" e, muito provavelmente, a crimes contra a humanidade, como denunciou em um relatório divulgado em fevereiro.

O governo birmanês, liderado pela ex-opositora Aung San Suu Kyi, também rejeitou a proposta da ONU de enviar uma missão para investigar os abusos e considerou que a comissão governamental de inquérito era uma resposta adequada.

Ao anunciar as suas conclusões neste domingo, a comissão disse que não encontrou provas de uma campanha sistemática de estupros, assassinatos e incêndios criminosos.

Talvez "ações excessivas" foram cometidas por membros das forças armadas, indicou em um comunicado. Mas "alguns incidentes (violentos) parecem ter sido inventados (...), outros tiveram poucas evidências", ressaltou.

A comissão de inquérito criticou o relatório da ONU de fevereiro, em que detalha, de acordo com o depoimento de rohingyas refugiados em Bangladesh, os abusos cometidos pelo Exército birmanês, pela polícia e, por vezes, por moradores que não pertencem à minoria.

AFP