Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Homem sírio reza em julho em um cemitério em Khan Sheikhun, 100 dias após um suposto ataque de gás tóxico ter matado 88 pessoas, entre elas 31 crianças

(afp_tickers)

A renovação do mandato dos especialistas que investigam o uso de armas químicas na Síria, que expira em novembro, confrontou nesta quarta-feira (18), na ONU, os Estados Unidos e a Rússia.

O painel de especialistas - formado pelas Nações Unidas e pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) - tem previsto apresentar em 26 de outubro seu relatório sobre o ataque com gás sarin em Jan Sheijun no começo de abril, que deixou quase 90 mortos.

A Rússia, aliada-chave do presidente sírio, Bashar al Assad, manifestou a intenção de analisar primeiro o informe antes de decidir se apoia estender por mais um ano o mandato do Mecanismo Conjunto de Investigação da ONU e da OPAQ, conhecido como JIM.

A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Nikki Haley, disse que enviará nesta quarta-feira um projeto de resolução para que o Conselho de Segurança vote a renovação "o quanto antes".

"Os russos deixaram claro que se o informe acusar os sírios, não confiarão no JIM. Se o informe não acusar os sírios, então o farão (...) Não se pode trabalhar assim", lamentou a diplomata em declarações à imprensa.

A Rússia pode optar por usar seu direito de veto para bloquear o projeto de resolução e por fim à investigação.

"Seria uma pena se a Rússia decidisse ter uma investigação em função de quem é o culpado", acrescentou Haley.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, manifestou que o JIM é "uma ferramenta muito importante".

Estados Unidos, França e Reino Unido acusam as forças de Assad de realizar o ataque com gás sarin em 4 de abril em Jan Sheijun, cidade rebelde da província de Idlib, no qual morreram ao menos 87 pessoas, incluindo 30 crianças.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP