Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) França, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos exigiram que o Irã interrompa o seu programa de mísseis balísticos

(afp_tickers)

O Irã condenou neste sábado as novas sanções adotadas pelo Congresso americano e afirmou que prosseguirá "com todas as forças" com seu programa balístico, ao mesmo tempo que um novo incidente foi registrado na sexta-feira entre navios americanos e barcos iranianos no Golfo.

"Continuaremos com todas as nossas forças com nosso programa balístico", afirmou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Bahram Ghasemi, ao canal estatal.

"Nossa política no âmbito militar e balístico é muito clara e é um tema de assunto interno. Os outros países não têm o direito de interferir", afirmou Ghasemi.

"Condenamos a ação hostil e inaceitável dos Estados Unidos", completou, em referência às novas sanções votadas pelo Congresso e que dependem da assinatura do presidente Donald Trump.

Dois dias depois da aprovação na Câmara dos Representantes, o Senado aprovou na quinta-feira quase por unanimidade (98 votos a favor e dois contra) um projeto de lei para impor sanções contra Rússia, Irã e Coreia do Norte.

No caso do Irã, as sanções afetam o programa balístico do país, os direitos humanos e o apoio de Teerã a grupos como o Hezbollah libanês, considerados "terroristas" pelo governo dos Estados Unidos.

Ghasemi considerou que as sanções "pretendem debilitar o acordo nuclear" concluído em 2015 entre Irã, Estados Unidos, China, Rússia, França, Reino Unido e Alemanha.

- Pedidos ocidentais -

França, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos exigiram na sexta-feira que o Irã interrompa o seu programa de mísseis balísticos, um dia após o teste de um foguete lançador de satélites.

Em comunicado conjunto divulgado pelo departamento americano de Estado, os quatro países condenaram o teste realizado, uma vez que viola uma resolução do Conselho de Segurança da ONU.

"O programa iraniano para o desenvolvimento de mísseis balísticos segue sendo contraditório com (a resolução) UNSCR 2231 e tem um impacto desestabilizador na região. Pedimos ao Irã que não realize mais lançamentos de mísseis balísticos e atividades relacionadas", destaca o documento.

Esta resolução foi adotada há dois anos para consagrar o acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano firmado em 14 de julho de 2015 em Viena entre Irã, Estados Unidos, China, Rússia, França, Reino Unido e Alemanha.

Entre outras coisas, a resolução "apela ao Irã a não realizar atividades relacionadas a mísseis balísticos capazes de transportar armas nucleares", recordaram Washington e seus aliados europeus.

O Irã rejeita as acusações, alegando que seus mísseis não estão "concebidos" para transportar cargas nucleares e que o país não tem intenção de produzir bombas atômicas, como afirmou na sexta-feira o ministro das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, em resposta a Washington.

Há 10 dias, ao adotar medidas de punição contra o programa balístico, Washington afirmou que Teerã "estava violando o espírito" do acordo nuclear.

Para os europeus, os programas nuclear e balístico devem ser tratados de forma independente.

- Incidentes no Golfo -

No ambiente de tensão, um novo incidente foi registrado entre navios americanos e barcos iranianos no Golfo, após outro caso similar na terça-feira, anunciou a Guarda Revolucionária do Irã em um comunicado.

De acordo com o texto, o incidente aconteceu na sexta-feira à tarde e envolveu o porta-aviões americano "Nimitz" e os navios que o acompanhavam, de um lado, e fragatas iranianas equipadas com mísseis, do outro.

O texto denuncia a atitude "de provocação e não profissional dos americanos", que lançaram advertências em direção às fragatas iranianas.

As forças navais americanas afirmaram que atuaram em reação à movimentação de barcos da Guarda Revolucionária, que se aproximavam em grande velocidade dos navios americanos, o qe o Irã nega.

Na terça-feira, um navio de patrulha da Marinha americana fez disparos de advertência contra um navio da Guarda Revolucionária iraniana que se aproximara a menos de 140 metros, indicou uma fonte do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

Nos últimos meses foram registrados vários incidentes entre embarcações americanas e navios iranianos no Golfo.

AFP