AFP

O presidente iraniano, Hassan Rohani, em Teerã, em 22 de maio de 2017

(afp_tickers)

O presidente iraniano, Hassan Rohani, denunciou nesta segunda-feira o "espetáculo sem nenhum valor político" da reunião em Riad entre Trump e os dirigentes árabes, e anunciou que seu país manterá os testes de mísseis "se for necessário".

Durante sua primeira coletiva após ser reeleito na sexta-feira para um segundo mandato de três anos, Rohani respondeu assim aos ataques feitos nos últimos dias pelos Estados Unidos e pela Arábia Saudita.

"A reunião na Arábia Saudita foi um espetáculo sem nenhum valor político, nem concreto. A Arábia Saudita já organizou espetáculos similares no passado", declarou.

O presidente iraniano negou as acusações de apoio ao terrorismo feitas contra o Irã por seu contraparte americano, Donald Trump, e pelo rei Salman da Arábia Saudita na abertura da reunião com os países muçulmanos, em Riad, no domingo.

A República Islâmica do Irã não foi convidada e o próprio Trump pediu a todas as nações para "a isolarem".

"Quem lutou contra os terroristas foi o povo iraquiano, sírio... Os conselheiros militares iranianos os ajudaram [...] e vão continuar fazendo isso", afirmou Rohani, que também defendeu o Hezbollah libanês.

"Os que apoiaram os terroristas não podem combatê-los", acusou Rohani. "Não acredito que o povo americano se esqueça do derramamento de sangue de 11 de setembro", continuou.

O presidente iraniano fez referência aos atentados de 2001 nos Estados Unidos, em que 15 dos 19 pilotos que explodiram os aviões, e mataram 3.000 pessoas, eram sauditas.

"Vocês não podem resolver o problema do terrorismo simplesmente entregando a uma superpotência o dinheiro de seu povo", manifestou o presidente iraniano fazendo alusão a Trump.

- "Sempre se equivocam" -

O presidente Trump escolheu a Arábia Saudita sunita, grande rival regional do Irã xiita, para sua primeira visita ao exterior depois de sua posse em janeiro.

Lá, assinou enormes contratos de um total de 380 bilhões de dólares. Destes, 110 bilhões são destinados ao armamento em uma região com muitos conflitos, especialmente na Síria, no Iêmen e no Iraque, onde Teerã e Riad travam guerras subsidiárias.

"Saibam que quando tivermos necessidade técnica de fazer testes de mísseis, faremos e não pediremos permissão a ninguém", anunciou Rohani.

"Nossos mísseis são para nossa defesa e para a paz, não são [feitos] para agredir", acrescentou.

Também denunciou os erros e a falta de conhecimento dos Estados Unidos sobre o Oriente Médio. "Lamentavelmente, os americanos sempre se equivocam sobre a nossa região. Quando atacaram o Afeganistão, se equivocaram; quando atacaram o Iraque, se equivocaram; quando nos impuseram sanções, se equivocaram", manifestou.

AFP

 AFP