Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestação pró-governo no Irã

(afp_tickers)

O Irã levantou na madrugada deste domingo as restrições à rede social Telegram, impostas durante os recentes tumultos sangrentos em várias cidades do país, constataram jornalistas da AFP.

"A informação sobre o final do controle do Telegram é correta", confirmou à AFP um relações públicas no Ministério das Telecomunicações. Este aplicativo de mensagens criptografadas voltou a ser acessível a partir da rede telefônica.

De acordo com a agência iraniana Isna, "o controle provisório do Telegram e algumas restrições aplicadas nessas duas últimas semanas (...) foram totalmente levantadas sob a ordem do Presidente da República", Hassan Rohani.

As manifestações contra o alto custo de vida e o governo, de 28 de dezembro a 1 de janeiro, provocaram uma onda de distúrbios em dezenas de cidades. Essas altercações deixaram 21 mortos, principalmente manifestantes.

Durante esses tumultos, as autoridades cortaram o acesso ao Telegram e ao Instagram a partir de telefones celulares e acusaram grupos "contra-revolucionários" no exterior de usar essas redes para convocar manifestações.

O acesso total ao Instagram foi restabelecido em 6 de janeiro, mas o acesso ao Telegram só era possível usando uma VPN (rede privada virtual).

O Telegram, que tem mais de 25 milhões de usuários diários, é a rede social mais popular no Irã.

Desde as grandes manifestações em 2009 contra a reeleição do ex-presidente Mahmud Ahmadinejad, Facebook, Twitter e YouTube estão bloqueadas no Irã, mas podem ser acessados via VPN.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP