Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente iraniano Hassan Rohani discursa no Parlamento em Teerã

(afp_tickers)

A prioridade do Irã é proteger o acordo nuclear alcançado em 2015 ante o "inimigo" americano, afirmou neste domingo o presidente iraniano, Hassan Rohani, em um discurso no Parlamento.

"O principal dever de nosso ministro das Relações Exteriores é defender o acordo nuclear e impedir que os Estados Unidos tenham êxito em sua política", declarou Rohani ao defender o balanço do trabalho do chefe da diplomacia, Mohamad Javad Zarif.

"Quem defende o acordo nuclear, resiste aos inimigos, aos Estados unidos, Israel e alguns pequenos países da região que perturbam a aplicação do acordo nuclear", completou.

Rohani afirmou na semana passada que o Irã poderia abandonar o acordo sobre seu programa nuclear se Washington prosseguisse com a política de "sanções e coerções".

Concluído em julho de 2015 entre Teerã e as principais potências internacionais, o acordo nuclear prevê que o Irã limite seu programa nuclear a finalidades civis, em troca da retirada progressiva das sanções internacionais.

Mas o governo do presidente americano, Donald Trump, hostil ao acordo assinado por seu antecessor Barack Obama, anunciou novas sanções jurídicas e financeiras ao Irã não vinculadas a atividades nucleares, após um teste com um lançador de satélites.

Teerã considera que as novas sanções violam o acordo.

Se os Estados Unidos "desejam voltar a estes métodos, em um período muito curto de tempo - não semanas ou meses, e sim dias ou horas - nós voltaremos a nossa situação (prévia ao acordo) de forma muito mais firme", advertiu Rohani.

O Parlamento iraniano deve celebrar neste domingo a votação de confiança dos ministros apresentados por Rohani, após vários dias de debates.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP