Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membros da polícia federal iraquiana participam de um confronto na Cidade Antiga de Mossul

(afp_tickers)

O Iraque anunciará "nos próximos dias" sua vitória em Mossul contra o grupo Estado Islâmico (EI) - garantiu nesta sexta-feira (30) um comandante das forças iraquianas, enquanto a organização sofre, ao mesmo tempo, um cerco crescente na vizinha Síria.

"Nos próximos dias, anunciaremos a vitória final sobre o Daesh", declarou o general iraquiano Abdel Ghani al-Assadi à AFP, em Mossul, usando o acrônimo do EI em árabe.

Segundo Assadi, na parte antiga de Mossul, último reduto dos extremistas, restam entre 200 e 300 combatentes do EI. A maioria é estrangeira.

Na quinta-feira (29), o primeiro-ministro iraquiano, Haider Al-Abadi garantiu que o autoproclamado "califado" do EI está chegando ao fim: "Assistimos ao final do falso Estado do Daesh", escreveu.

Três anos depois de ter assumido o controle de amplas faixas de território nesses dois países assolados por conflitos, os extremistas estão agora completamente sitiados em seus principais feudos de Mossul, no Iraque, e Raqa, na Síria.

Com a ajuda da coalizão internacional comandada pelos Estados Unidos, as forças iraquianas lançaram, em outubro de 2016, uma ofensiva para recuperar Mossul, bastião urbano do EI no Iraque e segunda cidade do país.

Em novembro de 2016, também com o apoio da coalizão, uma força curdo-árabe síria deflagrou uma ofensiva para expulsar o EI de Raqa. Essa cidade se transformou na capital "de facto" dos extremistas na Síria, país que é, desde 2011, palco de uma complexa guerra.

- 'Questão de dias'

O porta-voz da coalizão liderada pelos Estados Unidos, o coronel americano Ryan Dillon, concorda que a reconquista total de Mossul é uma questão de "dias".

"Não posso pôr um cronograma para isso, mas vejo mais uma questão de dias do que de uma semana, ou de várias semanas", garantiu.

A longa batalha para recuperar Mossul começou em 17 de outubro. No final de janeiro, as forças iraquianas já haviam recuperado a parte leste dessa cidade dividida em dois pelo rio Tigre.

Depois, em 19 de fevereiro, as forças iraquianas lançaram a ofensiva para tomar a parte ocidental e, em meados de junho, o alvo passou a ser reconquistar os últimos redutos do EI na Cidade Velha, para tentar controlar totalmente essa área.

Ontem, o Iraque anunciou a reconquista da emblemática mesquita de Mossul e, com isso, o fim do "califado" proclamado nesse local pelo chefe do EI, Abu Bakr al-Bagdadi, em julho de 2014. Seu paradeiro é desconhecido.

Em 21 de junho, várias explosões provocadas pelos extremistas destruíram o icônico minarete da mesquita, conhecido como "Hadba". Essa destruição de um símbolo da cidade e de todo país foi considerada pelo premiê como uma "declaração oficial de derrota" por parte dos radicais.

Os combates na Cidade Velha de Mossul prosseguiam nesta sexta-feira. Na Síria, o EI se retirou completamente de cerca de 20 aldeias sob seu controle na província de Aleppo (norte) diante da pressão das forças de Damasco, relatou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Sua principal praça-forte no país, Raqa, está totalmente cercada e, em seu interior, restam apenas 2.500 combatentes do grupo. Nesta sexta, os extremistas conseguiram tomar o bairro de Al-Senaa, no sudeste, das mãos das Forças Democráticas Sírias (FDS).

AFP