Navigation

Irmão do presidente hondurenho preso nos EUA por narcotráfico

O presidente Juan Orlando Hernández fala com a imprensa em Gracias, departamento de Lempira, Honduras, em 23 de novembro de 2018, para confirmar a prisão do irmão. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 23. novembro 2018 - 23:07
(AFP)

Juan Antonio Hernández, irmão do presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, foi detido nesta sexta-feira em Miami por suspeita de envolvimento com o tráfico de drogas, informou o governo em Tegucigalpa.

"No dia de hoje foi detido na cidade de Miami, Estados Unidos, o cidadão hondurenho Juan Antonio Hernández, irmão do atual presidente da República de Honduras", destaca o comunicado.

A nota acrescenta que em 24 de outubro de 2016 o presidente Hernández, "diante de crescentes rumores" de envolvimento do irmão no tráfico de drogas para os Estados Unidos, "deixou claramente estabelecida sua posição de que ninguém está acima da lei".

O ex-chefe do cartel Los Cachiros Devis Leonel Rivera Maradiaga revelou em março de 2017, a um tribunal de Nova York, ter pago subornos a Juan Antonio Hernández quando era deputado.

O cartel traficou toneladas de cocaína para os Estados Unidos antes de ser desmantelado pela DEA, a agência americana de combate às drogas.

Rivera fez tal revelação durante o processo contra Fabio Lobo, filho do ex-presidente Porfirio Lobo (2010-2014), condenado a 24 anos de prisão por colaborar com o cartel.

O criminoso garantiu que sua organização prestava serviços ao Estado através da empresa Inrimar, utilizada para lavar dinheiro do narcotráfico.

Em outubro de 2016, o militar hondurenho Santos Rodríguez denunciou ter sido capturado pela DEA, que o ligava a Juan Antonio Hernández a um complô para matar o embaixador de Washington em Tegucigalpa, James Nealon.

Juan Antonio Hernández rejeitou as acusações e disse ter verificado pessoalmente com a justiça em Miami que não havia qualquer acusação contra ele.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.