Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Hotel Mercure, em Marigot, perto da Baía de Nettle, em St. Martin, na passagem do furacão Irma, em 6 de setembro de 2017

(afp_tickers)

O poderoso furacão Irmã, rebaixado para a categoria 4, prosseguia em sua trajetória mortal pelo Caribe, onde deixou pelo menos 17 mortos, enquanto Cuba e Estados Unidos se preparam para o impacto.

Com ventos de 250 km por hora, o furacão continua "extremamente perigoso", advertiu o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos.

Nesta sexta, por volta das 13h00 GMT (10h00 de Brasília), o olho do ciclone que se dirigia para o oeste estava ao sul do arquipélago das Bahamas, perto da ilha de Great Inagua, a menos de 150 km de Cuba.

Cuba espera a passagem do furacão durante a noite. As autoridades decretaram alerta máximo em sete de suas 15 províncias e obrigaram a retirada de 10.000 turistas estrangeiros.

Em seguida, Irma subirá em direção à costa sudeste dos Estados Unidos. Quase um milhão de pessoas receberam ordens de deixar áreas costeiras de Flórida e Geórgia, na maior evacuação maciça nos Estados Unidos em 12 anos.

O governador da Flórida, Rick Scott, ordenou o fechamento até segunda-feira de todos os estabelecimentos escolares, que poderão ser transformados em abrigos.

"Será realmente devastador", antecipou na quinta-feira o diretor da Agência Americana de Gestão de Emergências (FEMA), Brock Long. "Todo o sudeste dos Estados Unidos deve se proteger".

- Ventos de 295 km/h -

Com rajadas de vento que chegaram a 295 km/h, o furacão varreu pequenas ilhas caribenhas como Saint Martin, onde 60% das casas ficaram inabitáveis.

"Parece como se uma podadora gigante tivesse descido do céu e passado pela ilha", explicou Marilou Rohan, moradora afetada, à emissora NOS.

"As casas foram esmagadas. As pessoas não têm esperança, vemos em seus olhos", acrescentou Rohan nesta ilha conhecida pelas praias paradisíacas e cujo território França e Holanda compartilham.

Cerca de 1,2 milhão de pessoas já foram atingidas, um número que pode chegar a 26 milhões, segund a Cruz Vermelha.

Ao menos duas pessoas morreram em Porto Rico, quatro nas Ilhas Virgens americanas e nove nas ilhas francesas de Saint-Martin e Saint-Barthélemy, que contabilizam ainda sete desaparecidos e 112 feridos. Uma pessoas morreu na parte holandesa de Saint-Martin e uma em Barbuda.

Nas Ilhas Virgens britânicas, o governador Gus Jaspert decretou estado de emergência, citando informações "de vítimas e mortos".

Em Porto Rico, mais da metade dos três milhões de habitantes estavam sem eletricidade e abrigos foram abertos para receber até 62.000 pessoas.

Irma, que há algumas horas ainda era um furacão de categoria 5, a máxima, chegou a gerar ventos de 295 km/h durante mais de 33 horas, um recorde desde o início do monitoramento por satélites nos anos 1970.

Nas ilhas atingidas, as fortes rajadas arrancaram tetos, esmagaram contêineres de embarcações e deixaram escombros por todo lado. Aeroportos, portos e linhas telefônicas ficaram fora de serviço.

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, descreveu o desastre como "inimaginável e sem precedentes".

Seu governo enviou mais de 100.000 rações de combate, enquanto a Holanda se apressa a fornecer comida e água para 40.000 pessoas.

A França também tenta estabelecer uma ponte aérea para levar ajuda às ilhas afetadas e evacuar os feridos, explicou a ministra francesa de Ultramar, Annick Girardin, que chegou na quinta-feira juntamente com 150 socorristas a Guadalupe, que serve como base de operações.

O custo dos danos provocados pelo furacão nas Antilhas francesas pode ser muito superior a 200 milhões de euros, afirmou o CCR, o instituto de resseguros públicos da França, especializado em catástrofes naturais.

Enquanto isso, o Reino Unido desbloqueou 35 milhões de euros e enviou dois navios militares para auxiliar.

O rei da Holanda Willem-Alexander deve viajara no domingo com o ministro do Interior Ronald Plasterk para a ilha de Curaçao para acompanhar as operações.

- "Tudo está destruído" -

O arquipélago britânico Turcas e Caicos também está na rota de Irma, o que obrigou a evacuação de algumas de suas ilhas.

"Um número importante de pessoas que vive em áreas muito baixas fica muito vulnerável", explicou à BBC o governador do arquipélago, John Freeman, confirmando o desalojamento de turistas estrangeiros.

Na iminência da chegada do furacão ao litoral de Flórida e Geórgia nas próximas horas, o presidente americano, Donald Trump, expressou sua "grande preocupação".

Espera-se que a Flórida enfrente os fortes ventos de Irma a partir da noite de sexta-feira, com ondas que pode chegar a oito metros, segundo meteorologistas.

Miami ficou mergulhada no caos devido às filas intermináveis em postos de gasolina e aos engarrafamentos nas principais estradas. Os moradores também acabaram com tudo o que havia em supermercados para se abastecer de provisões e água.

As autoridades determinaram a evacuação dos 'keys' (ilhas) da Flórida, um arquipélago situado no extremo sul do estado e onde turistas faziam malas para partir.

Depois do Irma, o Caribe enfrentará a fúria de outros dois furacões: José e Katia.

José, que segue a trajetória de Irma, ganhou força na quinta-feira e subiu para categoria 3, com ventos de até 195 km/h, segundo o NHC. Katia, de categoria 1, deve chegar à costa do estado mexicano de Veracruz também na sexta-feira.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP