Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto tirada das Colinas do Golã mostra fumaça do lado sírio da fronteira em 25 de junho de 2017

(afp_tickers)

O exército israelense voltou a atacar posições do regime sírio na noite desta quarta-feira, em resposta a disparos de morteiro nas colinas de Golã, no terceiro incidente deste tipo desde sábado.

Uma porta-voz do exército disse que um disparo de morteiro tinha atingido uma zona situada na parte das Colinas do Golã controlada por Israel. "As forças responderam e apontaram à posição do exército sírio que tinha disparado", acrescentou.

Ela não informou, contudo, se a resposta israelense foi feita pelas forças terrestres ou pela aviação.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu ,estava visitando a colônia israelense de Katzrin, mais ao sul nas Colinas de Golã, quando começaram os disparos sírios.

"Durante meu discurso, projéteis procedentes da Síria caíram em nosso território e as forças militares israelenses já replicaram", disse Netanyahu em um comunicado.

"Disse que não toleraremos nenhum excesso e que responderemos qualquer ataque", declarou.

No domingo, Israel atacou "duas posições de artilharia e um caminhão de munições do regime sírio", depois que vários obuses caíram nas Colinas del Golã.

Na véspera, a aviação israelense havia bombardeado dois tanques sírios e uma posição da qual o exército sírio havia disparado 10 projéteis para essa área.

Israel ocupa cerca de 1.200 quilômetros quadrados das alturas de Golã desde 1967, território que anexou em um ato que a comunidade internacional não reconhece. Tecnicamente, Israel e Síria ainda estão em guerra.

AFP