Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Avigdor Lieberman ordenou que as famílias dos diplomatas israelenses voltassem para Israel e que o pessoal diplomático fosse reduzido ao mínimo.

(afp_tickers)

O ministro israelense das Relações Exteriores, Avigdor Lieberman, denunciou nesta sexta-feira uma violação das "regras diplomáticas" pela Turquia após as violentas manifestações contra Israel por sua ofensiva na Faixa de Gaza.

Avigdor Lieberman "deu instruções ao Ministério das Relações Exteriores para que deixe claro ao governo turco que Israel protesta firmemente contra a violação flagrante das regras diplomáticas por parte das autoridades e das forças de segurança turcas durante as manifestações ocorridas após as declarações inflamadas do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan", afirmou o ministro em um comunicado.

O chanceler israelense acusou as autoridades turcas de não terem adotado as "medidas preventivas necessárias durante essas manifestações para impedir incidentes hostis".

De acordo com o ministro, "pedras foram jogadas; janelas do consulado israelense, quebradas e uma bandeira palestina, exibida na casa do embaixador de Israel em Ancara".

Avigdor Lieberman ordenou que as famílias dos diplomatas israelenses voltassem para Israel e que o pessoal diplomático fosse "reduzido ao mínimo".

Esse anúncio foi feito no dia seguinte ao início de uma operação terrestre do Exército israelense na Faixa de Gaza contra o Hamas que deixou mais de 50 palestinos mortos desde a noite de quinta-feira.

De acordo com a rádio pública, o Ministério das Relações Exteriores também recomendou que os israelenses não viajem para a Turquia, a não ser que seja necessário, e sejam cuidadosos quando estiverem nesse país.

Centenas de manifestantes atacaram na manhã desta sexta-feira o consulado geral de Israel no centro de Istambul. A polícia interveio, usando bombas de gás lacrimogêneo e jatos d'água.

Na quinta, Erdogan chamou os bombardeios israelenses a Gaza de "tentativa de genocídio sistemático" dos palestinos.

AFP