Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldado israelense patrulha fronteira com a Síria após projéteis atingirem a região do Golã ocupada por Israel, em 24 de junho de 2017

(afp_tickers)

Israel deteve três membros de uma banda de música palestina acusada de elogiar em uma canção um palestino que matou três colonos israelenses na Cisjordânia ocupada, informou nesta quarta-feira uma ONG palestina.

O exército israelense deteve quatro palestinos durante a madrugada de quarta-feira na província de Ramalah, na Cisjordânia ocupada. Três deles fazem parte de um grupo de música popular, informou a associação do Clube de Prisioneiros Palestinos.

O exército israelense não quis comentar o caso.

Segundo a imprensa palestina, o cantor do grupo, Mohamed al Barghuti, interpretou recentemente uma música em homenagem a Omar al Abed, autor de um ataque com uma faca que deixou três mortos no dia 21 de julho em uma colônia israelense na Cisjordânia ocupada. Omar al Abed, de 19 anos, se encontra atualmente em uma prisão israelense.

Um vídeo da canção interpretada durante uma festa de casamento foi publicado nas redes sociais.

"Ouvi os disparos da metralhadora no [povoado] árabe Kobar. Foi Omar que atravessou o bosque e fez a operação", diz a canção com referência o povoado de Omar al Abed.

Antes de passar à ação, Omar al Abed manifestou, em suas últimas palavras no Facebook, seu sentimento sobre as ações israelenses contra os palestinos e mencionou a situação na Esplanada das Mesquitas em Jerusalém Oriental, ocupada e anexada por Israel.

A esplanada, terceiro lugar santo do Islã e venerado igualmente pelos judeus, foi em julho o centro de tensões que geraram duas semanas de manifestações e de violência quase diária entre israelenses e palestinos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP