Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Em Gaza, os serviços de segurança do Hamas informaram que 11 pessoas ficaram feridas, uma em estado grave, em 15 ataques aéreos de represália lançados durante a noite.

(afp_tickers)

Uma onda de distúrbios abalou neste sábado as localidades árabes de Israel, após a morte de um adolescente palestino "queimado vivo", aparentemente em represália pelo assassinato de três jovens israelenses.

Pela primeira vez, confrontos entre manifestantes e policiais foram registrados nas localidades árabes do centro e do nordeste de Israel, especialmente em Taibe, Tira e Qalansuwa, segundo testemunhas.

Os manifestantes, que protestam pela morte do jovem palestino, lançaram pedras contra os policiais, que reagiram com bombas de gás lacrimogêneo.

A polícia deteve 35 árabes israelenses e um agente policial ficou ferido, informaram as autoridades.

Também ocorreram confrontos em Nazaret, principal cidade árabe de Israel, Arara e na região de Umm el Fahm, segundo a polícia.

Paralelamente, disparos de foguetes e morteiros da Faixa de Gaza atingiram o sul de Israel, antecipando um recrudescimento do conflito com o movimento islâmico Hamas, que controla este território palestino.

O Exército hebreu respondeu com uma série de ataques aéreos contra a Faixa de Gaza, ferindo dois palestinos.

- "Queimado vivo" -

O adolescente palestino Mohammed Abu Khder, 16 anos, foi sequestrado na quarta-feira em Shuafat, um bairro de Jerusalém Oriental. Seu corpo queimado foi achado horas mais tarde em uma floresta a oeste de Jerusalém, em um ataque atribuído pelos palestinos aos israelenses extremistas como vingança pela morte de três adolescentes israelenses.

Os médicos legistas encontraram indícios de fumaça em seus pulmões, o que significa que ele estava vivo quando foi queimado, informou a agência Maan, citando o procurador-geral palestino Mohammed Aluweiwi.

Abu Khder também apresentava um ferimento na cabeça, mas que não causou sua morte, acrescentou Aluweiwi.

O ministro palestino encarregado de Jerusalém, Adnan al Husseini, afirmou que os autores dos assassinato são colonos israelenses.

Há anos, colonos israelenses de ultra-direita aplicam a chamada política do "preço a pagar", que consiste em atacar objetivos palestinos e árabes, como também as forças armadas de Israel ou israelenses de esquerda.

A polícia israelense disse neste sábado, por sua vez, que não pode confirmar ainda que o assassinato de Abu Khder tenha sido um ato de vingança pela morte dos três jovens israelenses, que ficaram desaparecidos por dias desaparecidos depois de também terem sido sequestrados.

Um porta-voz da polícia afirmou que todas as possibilidades estão sendo investigadas.

A polícia de Israel deteve na quinta-feira, em Shuafat, o jovem Tariq Abu Khdeir, 15, primo do palestino assassinado e de nacionalidade americana. O jovem será levado no domingo a um tribunal de Jerusalém.

Um vídeo que circula nas redes sociais (https://www.youtube.com/watch?v=HDENWwEDGr4) mostra homens encapuzados, provavelmente policiais, batendo em uma pessoa algemada e quase inconsciente.

Os Estados Unidos destacaram neste sábado sua "profunda preocupação" com as informações de que Tariq Abu Khdeir foi "severamente golpeado" por policiais.

AFP