Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Funcionários palestinos recebem uma ordem militar de fechamento de seu local de trabalho, em Hebron, Cisjordânia

(afp_tickers)

Forças de segurança israelenses realizaram operações de busca em produtoras da Cisjordânia e fecharam pelo menos duas delas, acusadas de fornecer serviços aos canais de televisão do Hamas, informaram nesta quarta-feira o exército e um sindicato palestino.

As operações, realizadas durante a noite, aconteceram menos de 24 horas depois do anúncio pelo governo israelense de que não negociará com um governo de unidade palestino que inclua o movimento islamita caso o Hamas não entregue as armas, não renuncie à violência e não reconheça Israel.

As forças israelenses fecharam durante seis meses os escritórios em Hebron da Palmedia, Ramsat e Transmedia, três produtoras que forneciam serviços para os canais de TV do Hamas, informou à AFP uma fonte do sindicato dos jornalistas palestinos.

Duas pessoas foram detidas e material foi apreendido.

Outras cinco empresas da Cisjordânia, território palestino ocupado pelo exército israelense há 50 anos, foram objetos de operações das forças israelenses.

O exército de Israel informou o fechamento de duas empresas, Ramsat e Transmedia, no que chamou de uma operação de "grande envergadura".

As empresas envolvidas na operação das forças israelenses são suspeitas de "difundir conteúdos que incitam o ódio, de estimular, celebrar e promover a violência e o terrorismo contra os israelenses", completou o exército.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP