Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Funcionários palestinos recebem uma ordem militar de fechamento de seu local de trabalho, em Hebron, Cisjordânia

(afp_tickers)

Forças de segurança israelenses realizaram, nesta quarta-feira (18), operações de busca em produtoras da Cisjordânia e fecharam pelo menos duas delas, acusadas de fornecerem serviços aos canais de televisão do Hamas.

Realizadas durante a noite, as operações aconteceram menos de 24 horas depois do anúncio, por parte do governo israelense, de que não negociará com um governo de unidade palestino que inclua o movimento islamita, caso o Hamas não entregue as armas, não renuncie à violência e não reconheça Israel.

Neste momento, Hamas e Fatah se preparam para iniciar discussões para formar um governo de unidade.

O serviço de segurança israelense não anunciou qualquer medida concreta de represália a esta aproximação entre a Autoridade Palestina, reconhecida por Israel como interlocutora dos palestinos, e o movimento islamita, considerado pelo Estado hebreu como uma organização terrorista.

Antes do amanhecer, porém, as forças israelenses entraram nos escritórios de produtoras e companhias que operam no setor de mídia em Ramallah, Hebron, Nablus e Belém.

Ao que parece, esta foi a mais vasta operação do gênero em muito tempo, mesmo que o Exército israelense realize batidas com frequência, ou feche os escritórios de rádio e televisão da Cisjordânia, acusando os veículos de propagar ódio aos israelenses.

As forças israelenses fecharam durante seis meses os escritórios em Hebron de Palmedia, Ramsat e Transmedia, três produtoras que forneciam serviços para os canais de TV do Hamas, informou à AFP uma fonte do sindicato dos jornalistas palestinos.

Duas pessoas foram detidas, e material foi apreendido.

Outras cinco empresas da Cisjordânia, território palestino ocupado pelo Exército israelense há 50 anos, foram alvo de operações das forças israelenses.

O Exército de Israel informou o fechamento de duas empresas, Ramsat e Transmedia, no que chamou de uma operação de "grande envergadura".

As empresas envolvidas na operação das forças israelenses são suspeitas de "difundir conteúdos que incitam o ódio, de estimular, celebrar e promover a violência e o terrorismo contra os israelenses", completou o Exército.

Os militares colaram nas portas dos dois escritórios fechados ordens de encerramento alertando, em árabe: "Não apoiem o terrorismo, ou os incitamentos ao ódio. Assim vocês vão garantir seu ganha-pão e proteger suas famílias".

As oito sociedades visadas, segundo o general Yoav Mordechai, à frente da unidade que coordena parte das atividades israelenses nos Territórios palestinos, são acusadas de prestarem serviços à Al-Aqsa TV e à Al-Quds TV, dois canais do Hamas.

Al-Aqsa e Al-Quds "difundem incitações ao ódio contra o Estado de Israel. Não é segredo para ninguém que esses canais inspiraram terroristas que atacaram inocentes", acrescentou.

Um funcionário da Palmedia contestou as acusações israelenses, afirmando que a companhia não fornece conteúdo a qualquer um de seus clientes, limitando-se a prestar serviços técnicos, humanos e material.

"Seu fechamento ameaça a existência dos meios de comunicação palestinos e seu dever de dar voz à Palestina", reclama em um comunicado a Palmedia, afiliada à Paltel.

A Autoridade Palestina condenou a operação "nos termos mais duros".

Esta operação constitui uma "agressão flagrante e uma violação grosseira de todas as regras internacionais", disse o porta-voz do governo palestino, Yussef al-Mahmud.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP