Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Judeus ortodoxos rezam na parte ocidental do Muro de Jerusalém, no dia 28 de setembro de 2017

(afp_tickers)

O Exército israelense anunciou o isolamento dos Territórios Palestinos entre a meia-noite desta quinta-feira (18h00 de Brasília) e a meia-noite do sábado para a celebração do Yom Kipur, a festa judaica do Dia do Perdão.

As autoridades israelenses justificaram o isolamento, que costuma ser realizado em festividades judaicas, alegando motivos de segurança e temor de ataques.

Todos os pontos de passagem da Cisjordânia e da Faixa de Gaza serão fechados, salvo em "casos humanitários", durante estes dois dias, informou à AFP nesta quinta-feira um porta-voz do exército.

Os palestinos tampouco poderão entrar nas colônias israelenses da Cisjordânia, acrescentou o porta-voz.

Anteriormente, um porta-voz da Polícia tinha informado que o dispositivo de segurança estava pronto para o jejum do Yom Kipur, que começará na sexta-feira na última hora da tarde e se estenderá até o sábado à noite.

O porta-voz mencionou um deslocamento especial de patrulhas policiais "na Cidade Velha de Jerusalém e no Muro das Lamentações, onde são esperados milhares de visitantes durante o jejum".

O Muro das Lamentações fica junto da Esplanada das Mesquitas, o terceiro lugar santo do Islã e o mais sagrado dos judeus, que o chamam Monte do Templo. Está situado, como a Cidade Velha que o rodeia, em Jerusalém oriental, parte palestina desta cidade, mas anexada e ocupada por Israel.

Os serviços de segurança israelenses anunciaram na quinta-feira que haviam detido dois árabes-israelenses suspeitos de simpatizar com o grupo extremista Estado Islâmico (EI) e de planejar um atentado na região.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP