Navigation

Israel realizou 12 ataques aéreos contra a Faixa de Gaza

A aviação israelense realizou na noite de sábado 12 ataques contra alvos na Faixa de Gaza, em retaliação aos disparos de foguetes que causaram um incêndio em Sderot, no sul de Israel, informaram fontes israelenses e palestinas. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. junho 2014 - 11:35
(AFP)

A aviação israelense realizou na noite de sábado 12 ataques contra alvos na Faixa de Gaza, em retaliação aos disparos de foguetes que causaram um incêndio em Sderot, no sul de Israel, informaram fontes israelenses e palestinas.

Os ataques contra as principais cidades da Faixa de Gaza fizeram dois feridos, indicou à AFP um porta-voz do Ministério do Interior do Hamas.

"Houve 12 ataques em duas ondas", confirmou à AFP um porta-voz do Exército israelense, que disse ter atacado "locais de atividades terroristas".

Os 12 ataques foram em resposta aos foguetes disparados na sexta-feira e sábado por grupos palestinos de Gaza.

Um dos foguetes provocou um incêndio no sábado em uma fábrica de tintas sem causar vítimas.

Nas últimas duas semanas, os grupos palestinos dispararam 25 foguetes e morteiros contra o sul de Israel, enquanto o Exército israelense respondeu em todos os casos com ataques de represália à noite.

A tensão na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza aumentou desde 12 de junho, após o sequestro de três jovens israelenses na Cisjordânia, que os israelenses atribuem a militantes do Hamas.

O Shin Bet, serviço de segurança interna de Israel, revelou na quinta-feira a identidade de dois dos principais suspeitos do sequestro pertencentes ao Hamas, o movimento islâmico que governa Gaza.

"O Exército e os serviços de inteligência procuram estabelecer uma ligação entre os suspeitos e o Hamas na Faixa de Gaza", estimou neste domingo o correspondente militar para a rádio pública israelense.

Esta autoridade não exclui que o Exército israelense lance em breve uma "grande operação" em Gaza.

Na Cisjordânia, desde 12 de junho, cinco palestinos foram mortos e cerca de 400 presos, na sua maioria membros do Hamas, durante as operações de busca.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.