Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, em 15 de outubro de 2017

(afp_tickers)

O governo israelense se nega a negociar com um futuro governo de unidade palestino integrado pelo Hamas se a formação islamita não depuser as armas, renunciar à violência e reconhecer Israel, indicou em um comunicado nesta terça-feira.

O gabinete israelense restrito - que trata de temas de segurança - condicionou, além disso, qualquer conversa com um governo de unidade palestino à ruptura do Hamas com o Irã, a restituição dos corpos dos soldados israeleneses mortos na guerra de 2014 em Gaza e a libertação de alguns israelenses detidos no território, segundo ainda o comunicado.

Em virtude de um acordo de reconciliação entre o Fatah e os Hamas assinado na quinta-feira passada no Cairo, a Autoridade Palestina, reconhecida internacionalmente e interlocutora de Israel, retomará antes de 1o. de dezembro todos os poderes na Faixa de Gaza, da qual havia sido expulsa pelo Hamas em 2007.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP