Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Na Itália foram registrados um milhão de casos de demência, dos quais 60.000 são devido ao Alzheimer

(afp_tickers)

A Itália apresentou um programa "pioneiro no mundo" para detectar as pessoas com alto risco de desenvolver o mal de Alzheimer, de forma a prevenir os danos cerebrais com novos tratamentos.

O programa, que leva o nome "Interceptor", aponta para identificar os benefícios dos novos tratamentos, já que os custos e efeitos colaterais serão consideráveis.

"O mal de Alzheimer é um problema mundial que não se consegue resolver. Deve ser administrado com urgência", assegurou a ministra italiana de Saúde, Beatrice Lorenzin.

Na Itália foram registrados um milhão de casos de demência, dos quais 60.000 são devido ao Alzheimer.

As cifras devem aumentar na Europa e nos países desenvolvidos "por causa do envelhecimento da população", lembrou a ministra, médica de formação.

A Itália sofre um déficit crônico de nascimentos e é o país com mais idosos da Europa, e o segundo no mundo, atrás do Japão.

Devido aos números preocupantes, o governo decidiu lançar a iniciativa, introduzindo a aplicação de novos remédios antes de 2025, explicou a ministra.

O "Interceptor" é um programa para uma categoria específica de pessoas, que apresentam problemas cognitivos leves e piora moderada da memória ou da linguagem.

"Atualmente há 735.000 pessoas que apresentam esses sintomas na Itália, das quais 50% desenvolverão a doença de Alzheimer", explicou o professor de Neurologia Paolo Maria Rossini, que supervisiona o projeto.

"Dar esses remédios a mais de 700.000 pessoas levaria o nosso sistema de saúde à falência", reconheceu o pesquisador.

O "Interceptor" tem como objetivo identificar as pessoas com alto risco durante o período assintomático.

O Estado italiano se comprometeu a contribuir com 3,5 milhões de euros ao projeto, que irá atender durante 54 semanas 400 pacientes, todos voluntários, que apresentam sintomas leves e com idades compreendidas entre 50 e 85 anos.

Os pacientes serão distribuídos em cinco centros especializados para o diagnóstico do Alzheimer, serão submetidos a uma série de exames (análises biológicas e testes neuropsicológicos), o que permitirá desenvolver o modelo para detectar a doença.

"Seremos o primeiro país do mundo a contar com um dispositivo desse tipo antes da introdução do primeiro remédio", advertiu o professor Rossini.

Cerca de 50 medicamente estão sendo experimentados para frear ou impedir a doença cerebral que causa problemas de memória, na forma de pensar e na maneira de se comportar.

Essa grave patologia degenerativa é diagnosticada a cada três segundos no mundo e atualmente é considerada incurável.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP