Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Destroços do terromoto ocorrido em Amatrice, há um ano, fotografados em 23 de agosto de 2017

(afp_tickers)

Um ano depois do terremoto que devastou o centro da Itália, o país presta uma homenagem na quinta-feira (24) aos 299 mortos da tragédia, enquanto os sobreviventes continuam lutando contra a lentidão da reconstrução de sua cidade.

O terremoto registrado na segunda-feira (21) na ilha de Ischia, em frente à costa de Nápoles, que causou a morte de duas pessoas e o desmoronamento de casas e edifícios, fez lembrar que a Itália é um país sísmico.

Quando, na madrugada de 24 de agosto de 2016, um terremoto de magnitude 6,0 arrasou Amatrice e devastou várias localidades do centro da ilha, a Itália viveu um de seus maiores pesadelos.

Quase 300 pessoas morreram sob os escombros. Valiosos monumentos históricos, edifícios medievais, do Renascimento e também de construção recente foram arrasados, e o tecido econômico e social de uma próspera região foi destruído.

Poucos meses depois, a mesma região foi sacudida novamente por uma série de fortes terremotos, em 26 e 30 de outubro, e depois em 18 de janeiro, com menos vítimas do que o de agosto. Mas os danos acumulados chegaram a 23 bilhões de euros.

Na quinta-feira, os familiares de 239 vítimas se reunirão à 01h30 (20h30 de Brasília de quarta-feira) para rezar e depois desfilarão com tochas em meio às ruínas da parte histórica de Amatrice. O sino da igreja vai badalar 239 vezes como homenagem.

Mais tributos foram organizados para quarta e quinta-feira em outras localidades atingidas: Accumoli, Arquata del Tronto e Pescara del Tronto.

A região é um fervedouro de queixas, a insatisfação reina, os trabalhos de limpeza e reconstrução demoram, os atingidos continuam morando nos arredores, a parte histórica das cidades permanece sendo zona de risco e só pode ser acessada com permissões especiais.

- O desafio da reconstrução -

O governo aprovou um fundo de mais de seis bilhões de euros para a reconstrução. "Diante de uma sequência sem precedentes de eventos sísmicos realizaremos medidas e disponibilizaremos recursos sem precedentes", assegurou na segunda-feira (21) o chefe de Governo, Paolo Gentiloni.

Somente 10% das 4.000 toneladas de escombros foram retirados. A maior parte do material é delicado e deve ser classificado antes de ser enviado para a restauração a fim de evitar que seja levado para o mercado ilegal de antiguidades.

O plano de reconstrução do governo é ambicioso e conta com um orçamento de 500 milhões de euros, 12 vezes maior que o dado para L'Aquila após o terremoto de 2009.

Diferentemente de L'Aquila, onde as vítimas foram levadas para novos bairros da periferia e o centro histórico ficou vazio, as autoridades esperam recuperar esse valioso patrimônio artístico e cultural.

Amatrice quer retomar a beleza do passado, sem os edifícios que a descaracterizaram no século XX, e contar com uma praça que, segundo o traçado do século XV, foi proibida pelo papa de então.

Para recuperar o coração da península, a Itália aponta para mudar a mentalidade de um país que não respeita as normas antiterremotos, não usa material adequado e, sobretudo, não leva em conta a sua geografia, sendo uma das áreas sísmicas mais ativas da Europa.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP