Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O júri de um tribunal de Los Angeles decidiu pelo pagamento em indenizações punitivas a Eva Echeverría

(afp_tickers)

O grupo farmacêutico americano Johnson & Johnson foi condenado, nesta segunda-feira, a pagar 417 milhões de dólares de indenização a uma mulher de 63 anos, que alegou que o uso do talco da marca lhe provocou câncer de ovário, segundo uma fonte judicial.

O júri de um tribunal de Los Angeles decidiu pelo pagamento de 70 milhões de dólares em compensações financeiras e 347 milhões em indenizações punitivas a Eva Echeverría, por considerar que a J&J não informou dos riscos vinculados ao uso do talco, que ela começou a usar aos 11 anos de idade. O câncer de Echeverría foi detectado em 2007.

A J&J enfrenta, ao todo, cerca de 4.800 processos pelo mesmo motivo e, até agora, foi declarada culpado em cinco ocasiões, ainda que tenha vencido um caso em março passado.

Com a derrota judicial de segunda, o grupo foi condenado a pagar 720 milhões de dólares.

"Vamos apelar do veredito porque nos baseamos na ciência que afirma que o talco para bebês da Johnson & Johnson é seguro", disse um porta-voz da J&J em mensagem à AFP.

A principal base da empresa é um estudo do Instituto do Câncer dos Estados Unidos que afirma que "as provas não apoiam uma correlação entre uma exposição ao talco na zona do períneo e um risco mais alto de contrair câncer de ovários".

"Nos preparamos para outros julgamentos nos Estados Unidos e continuaremos defendendo a segurança do talco para bebês", completou a porta-voz.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP