Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Stephen Hawking apresenta uma fórmula de previsão das chances de vitória da Inglaterra na Copa do Mundo de 2014, em 28 de maio de 2014.

(afp_tickers)

O cantor Mick Jagger, o astrofísico Stephen Hawking e cerca de 200 personalidades, em sua maioria britânicas, publicaram nesta quinta-feira uma carta pedindo à Escócia que não se torne independente do Reino Unido no referendo de 18 de setembro.

"A decisão de sair de nosso país compartilhado é, certamente, apenas sua", começa a breve carta.

"No entanto, a decisão terá um grande impacto sobre todos nós no Reino Unido", avisaram.

"Queremos que saibam o quanto apreciamos nossos laços de cidadania com vocês e expressar nossa esperança de que votem a favor de renová-los".

"O que nos une é maior que o que nos divide. Vamos ficar juntos", conclui o texto.

Além dos citados, assinam o texto atores como Michael Douglas, Judi Dench, Helena Bonham-Carter, Steve Coogan e Terry Jones (do grupo Monty Python) e os músicos Sting, David Gilmour (Pink Floyd), Bryan Ferry, Cliff Richard, e Andrew Lloyd-Weber (compositor e produtor de 'O Fantasma da Ópera', 'Cats', 'Evita').

Também figuram os atletas Steve Redgrave (remo, medalha de ouro em cinco Jogos Olímpicos consecutivos), Ian Rush (o maior goleador da história do Liverpool) e Jonathan Edwards (campeão olímpico, mundial e europeu de salto triplo).

Entre os signatários também há celebridades escocesas, como o jogador de rugby Kenny Logan ou a atriz Louise Linton.

O que todos têm em comum é que não poderão votar no referendo, aberto apenas aos residentes da Escócia com mais de 16 anos, cerca de 4 milhões de pessoas.

Um porta-voz da campanha a favor da independência comemorou ironicamente a carta, afirmando que é "formidável saber que a Escócia tem tantos amigos e admiradores".

"Sabemos que seguirão gostando de nós e nos admirando quando tivermos votado 'sim' no dia 18 de setembro", acrescentou.

AFP