Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Eiko Noda, de 81 anos, realiza exorcismos em troca de dinheiro há cerca de três décadas.

(afp_tickers)

A polícia japonesa, que investiga a morte de uma mulher que supostamente faleceu depois de ser forçada a beber muita água, prendeu uma exorcista profissional de 81 anos, sua irmã mais nova e o marido da vítima.

As informações apontam que Rie Fukuda, de 51 anos, foi obrigada a engolir um grande volume de água, no que detetives afirmam que foi um exorcismo realizado por seu marido e por duas mulheres idosas.

O marido da vítima, Kosai Fukuda, de 52 anos, professor de uma universidade na cidade japonesa de Kumamoto, no sul do país, foi preso junto com Eiko Noda, de 81 nos, e Keiko Kitayama, de 77, informou a polícia à AFP nesta sexta-feira.

Noda realiza exorcismos em troca de dinheiro há cerca de três décadas, declarou a Nippon Television, citando fontes não identificadas na polícia local.

Noda e Fukuda declararam à polícia que a mulher morta "vinha recebendo exorcismo há vários anos".

Não foi fornecido nenhum detalhe sobre a religião dos supostos envolvidos.

Na quinta-feira, o jornal L'Osservatore Romano informou que o Vaticano reconheceu juridicamente a Associação Internacional de Exorcistas (AIE), legalizando uma prática antiga que nem todos apreciam dentro da Igreja católica.

Segundo o jornal do Vaticano, a Congregação para o Clero aprovou os estatutos da associação através de um decreto com data de 13 de junho.

A associação é formada por 250 exorcistas presentes em trinta países.

Com o reconhecimento, os exorcistas são encorajados a trocar experiências com o objetivo de ajudar as pessoas que recorrem a isso.

"O exorcismo é uma oração oficial da Igreja católica na qual se invoca Deus e se exige do Diabo que liberte uma determinada pessoa", explicou o site especializado Religião Digital.

"Este ritual foi renovado na época de João Paulo II, em 1998, quando a Igreja católica decidiu, depois de quase 400 anos, revisar o texto anterior - de 1614 - devido às mudanças realizadas pelo Concílio Vaticano II (1962-1965) e aos avanços da ciência no campo da mente", disse a mesma fonte.

AFP