Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma imagem divulgada pela mídia jihadista mostra supostos membros do Estado Islâmico (EI) saqueando munição de uma base do exército sírio, em Raqa.

(afp_tickers)

Os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI) tomaram na madrugada desta sexta-feira a Brigada 93, uma importante base do exército sírio na província de Raqa, no norte do país, indicou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

"O EI tomou a Brigada 93 após violentos combates e um triplo atentado suicida", indicou à AFP Rami Abdel Rahman, o diretor da ONG. Nestes confrontos, "36 soldados morreram, alguns decapitados", assim como 15 jihadistas, disse a organização.

Segundo Rahman, os jihadistas mobilizaram suas tropas para preparar o ataque contra o aeroporto de Tabqa, a última posição do regime sírio na província de Raqa.

A maior parte da província de Raqa encontra-se desde fevereiro nas mãos deste grupo jihadista, depois de expulsar os rebeldes que também lutam contra as forças do presidente sírio, Bashar al-Assad.

O EI já havia tomado em julho a Divisão 17, outra base da região, onde 85 soldados morreram nos combates ou foram executados pouco depois, segundo o OSDH.

A guerra na Síria se tornou cada vez mais complexa com a multiplicação das frentes e com os rebeldes lutando ao mesmo tempo contra o regime e contra os jihadistas do EI, que proclamaram um califado nas zonas sob seu controle na Síria e no Iraque.

Mais de 170.000 pessoas morreram nos mais de três anos de conflito na Síria, segundo o OSDH.

AFP