Navigation

Jornal equatoriano suspende edição impressa por restrições da lei de comunicação

(Arquivo) O 'Hoy' passará à versão digital nesta segunda-feira afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. junho 2014 - 13:33
(AFP)

O jornal equatoriano Hoy, fundado há 32 anos e considerado de oposição pelo governo, anunciou a suspensão de sua edição impressa, em consequência de um boicote publicitário e por regulações restritivas da lei de comunicação.

O Hoy passará à versão digital nesta segunda-feira.

O jornal afirma em um editorial que a decisão foi baseada nas "regulações restritivas da Lei de Comunicação e o aprofundamento de alguns de seus dispositivos, incluindo os que limitam de forma discriminatória o investimento nacional em meios de comunicação".

O governo do presidente Rafael Correa, que mantém uma disputa com um setor da imprensa, que ele chama de opositor, promoveu a lei vigente desde junho de 2013, que proíbe que donos de bancos sejam proprietários de meios de comunicação. A norma é questionada pela iniciativa privada, que critica supostas restrições à liberdade de imprensa.

"O permanente boicote publicitário ao Hoy, o cancelamento de contratos de impressão especialmente de textos escolares e outras limitações para financiar nossas operações, incluindo a iniciativa de transformar a informação em serviço público, em um cenário mundial de progressiva queda na audiência da imprensa escrita, nos obrigam a tomar a dura decisão de suspender a edição impressa diária", afirma o jornal de Quito.

"A gradual perda das liberdades e a limitação das garantias constitucionais sofridas no Equador, a autocensura que impõe a vigência da Lei de Comunicação, os ataques reiterados diretos e indiretos à imprensa que não é controlada pelo governo têm gerado, há mais de sete anos, um cenário totalmente adverso para o desenvolvimento de um jornal plural, livre, independente, aberto às distintas correntes de opinião", completa o editorial do Hoy.

O Hoy, que tem como diretor Jaime Mantilla, ex-presidente da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), ressaltou que desde a sua criação o jornal defende "a democracia, o respeito aos direitos humanos e às liberdades e a luta por uma sociedade mais justa, solidária e inclusiva".

Correa sustenta que vários veículos de comunicação privados, que classifica como corruptos e mentirosos, pretendem desestabilizar seu governo.

O jornal afirmou que, apesar do boicote e das restrições, a partir de segunda-feira terá uma edição digital e que a nova fase contará com um jornal impresso semanal.

A lei define que os meios de comunicação que operam na internet também estão submetidos à norma.

"Ninguém pode ser indiferente"

"Ninguém pode ser indiferente ou se alegrar com a notícia do fim, seja da edição impressa ou qualquer outra. O Hoy é um jornal que contribuiu com o jornalismo nacional", opinou o diretor do jornal estatal El Telégrafo, Orlando Pérez.

Acrescentou que o Hoy, com o qual colaborou, tem um valor histórico para o futuro do país que vai além do que o seu diretor possa apontar agora como justificativa para não o imprimir mais".

"Não tenho dúvidas das razões alegadas pelo Hoy para suspender a edição impressa", manifestou Manuel Chiriboga em sua coluna no El Universo, também considerado de oposição.

O Congresso, com maioria do governo, promove emendas constitucionais para estabelecer a reeleição indefinida, que permitiria que Correa participasse das eleições de 2017, e para definir a comunicação como um "serviço público" prestado por veículos estatais, privados e comunitários.

Em 2012, Correa ganhou um processo judicial por injúria contra o jornal El Universo, em que três diretores e um ex-editor foram condenados a três anos de prisão e ao pagamento de uma indenização de 40 milhões de dólares.

No entanto, o presidente - no poder desde 2007 - concedeu um perdão judicial e o processo foi arquivado.

SP/fp/cc

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.