Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O tabloide centenário New York Daily News, conhecido por suas manchetes provocadoras, foi vendido pelo valor simbólico de 1 dólar

(afp_tickers)

O tabloide centenário New York Daily News, conhecido por suas manchetes provocadoras, foi vendido pelo valor simbólico de 1 dólar, no mais recente capítulo de crise no setor de jornais.

O negócio, fechado neste fim de semana, permitiu que a Tronc, dona dos jornais Los Angeles Times e Chicago Tribune, adquira o veículo americano quase de graça, ao assumir seu passivo operacional, de acordo com o arquivo regulatório.

"Estamos animados para dar boas vindas à equipe do New York Daily News na família Tronc e queremos muito trabalhar com eles para atender novos públicos e mercados, enquanto entregamos valor para nossos acionistas", afirmou Justin Dearborn, CEO do grupo jornalístico, anteriormente conhecido como Tribune Publishing.

"No portfólio da Tronc, o New York Daily News vai nos oferecer outra plataforma estratégica para expandir nossos negócios digitais, alargar nosso alcance e ampliar nossos serviços para anunciantes e comerciantes.

O Daily News já venceu 11 prêmios Pulitzer desde que foi fundado, em 1919, inclusive neste ano, por uma reportagem sobre abusos policiais no uso das normas de despejo para expulsar moradores pobres de suas casas.

Ironicamente, com esta venda, o jornal volta às suas raízes, já que foi fundado por Joseph Medill Patterson, copublicador do Chicago Tribune.

Mas o acordo mostra a profunda crise que o setor de jornais impressos enfrenta, graças à brusca redução dos valores de publicidade nas últimas décadas, com os leitores cada vez mais focados nos serviços digitais.

Também neste ano, a Tronc adquiriu o Chicago Sun-Times pelo mesmo valor simbólico, 1 dólar.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP