Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um juiz americano indeferiu nesta quarta-feira uma ação contra o Twitter, que acusava o microblog de incitação ao terrorismo por difundir propaganda do grupo Estado Islâmico (EI) em sua plataforma de mensagens

(afp_tickers)

Um juiz americano indeferiu nesta quarta-feira uma ação contra o Twitter, que acusava o microblog de incitação ao terrorismo por difundir propaganda do grupo Estado Islâmico (EI) em sua plataforma de mensagens.

O magistrado Guillermo Orrick acolheu a moção do Twitter e arquivou o caso, argumentando que fornecer uma plataforma de expressão está dentro da lei e que a rede social não criou o conteúdo.

A lei de comunicação exime as plataformas on-line de responsabilidade sobre o que os usuários escrevem.

O pleito foi apresentado na corte federal de San Francisco pelas famílias de dois terceirizados do governo, mortos em Amã no fim do ano passado, quando trabalhavam em um centro de capacitação da polícia controlado pelos Estados Unidos, segundo documentos judiciais.

Um capitão da polícia jordaniana que estudava no centro matou os dois homens e mais tarde o EI reivindicou que o atacante era "um lobo solitário" que servia à causa do grupo, relatou o juiz em sua sentença.

"Apesar do terrível destas mortes, Twitter não pode ser tratado como editor ou porta-voz do odioso discurso do ISIS (acrônimo do EI)", disse Orrick.

A ação acusava o Twitter de proporcionar "material de apoio" ao permitir a difusão da mensagem do grupo extremista através de suas contas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP