Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policial caminha próximo a plataforma onde um trem de Thalys, em Arras, França

(afp_tickers)

Dois belgas foram acusados nesta terça-feira (31) de participar das atividades de um "grupo terrorista" e acabaram presos, no âmbito de uma investigação do ataque ao trem Thalys Amsterdã-Paris em agosto de 2015, anunciou a Procuradoria-Geral da Bélgica em comunicado.

Essas são as primeiras acusações na Bélgica por este caso, que também é instruído em Paris. Os dois homens são suspeitos de ajudar o autor material do ataque, Ayoub El Khazzani, preso na França.

Em 21 de agosto de 2015, três americanos - entre eles dois militares - evitaram um massacre em um trem Thalys, ao controlar Ayoub El Khazzani, que abriu fogo quando o trem passava pelo norte da França.

Duas pessoas ficaram feridas neste ataque em um trem de alta velocidade, no qual o agressor de origem marroquina, segundo confessou em dezembro de 2016, embarcou por ordem do extremista Abdelhamid Abaaoud.

Este é um dos extremistas-chave nos atentados executados meses depois em Paris, em 13 de novembro de 2015 (130 mortos). Cinco dias depois, faleceu em uma operação policial em Saint Denis, ao norte de Paris.

A Procuradoria-Geral belga anunciou na segunda-feira quatro detenções realizadas por uma equipe de investigação franco-belga nas regiões de Bruxelas e Valônia (sul).

Dois dos quatro presos, "Mohamed B., nascido em 10/04/1987" e "Youssef S., nascido em 29/08/1988", foram acusados de "participação nas atividades de um grupo terrorista", o primeiro na qualidade de "dirigente", anunciou nesta terça.

O juiz de instrução "lançou uma ordem de prisão" contra eles, o que significa que foram detidos, acrescentou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP