Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Jean-Claude Juncker

(afp_tickers)

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, defendeu nesta segunda-feira (23) sua "boa reunião" na semana passada com a primeira-ministra britânica, desmentindo informações publicadas na imprensa alemã de que Theresa May estaria "desanimada".

"Vi a senhora May na segunda-feira (16 de outubro) à noite para um jantar, sobre o qual a imprensa informa declarações que não foram feitas, mas sempre acontece o mesmo", disse Juncker, em um discurso para estudantes do Instituto de Estudos Políticos de Estrasburgo.

Para o titular do Executivo comunitário, "foi uma boa reunião" e a primeira-ministra britânica "não estava cansada, nem abatida". "Ela fez seu trabalho, eu também fiz o meu", acrescentou Juncker.

Segundo o jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, May pediu a Juncker sua ajuda nas negociações, insistindo no enorme risco político que corria no Reino Unido, criticando a ideia de um Brexit "duro" e pedindo um período de transição de dois anos após a saída efetiva dos britânicos, prevista para março de 2019.

Sem citar fontes, o artigo indica que May foi "torturada", "temerosa" e "desanimada" ao jantar em Bruxelas, dias antes de uma cúpula europeia na qual seus sócios da UE lhe estenderam a mão, aceitando iniciar os preparativos sobre a futura relação com o Reino Unido.

A informação da imprensa alemã, publicada no domingo, acrescenta que o titular da Comissão explicou aos seus colegas, depois do jantar, que May estava abatida pelas disputas dentro do seu Partido Conservador e não parecia ter dormindo muito.

Em um tuíte na manhã desta segunda-feira, o chefe de gabinete e braço direito de Juncker, o alemão Martin Selmayr, que também participou da refeição, desmentiu ser a fonte do artigo, bem como as declarações de seu chefe.

A matéria é "uma tentativa de minar a unidade da UE", acrescentou Selmayr, cuja resposta foi dada logo após o ex-chefe de gabinete de May, Nick Timothy, tê-lo acusado pelo Twitter de ter divulgado essas informações.

Nesta linha, o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, também lamentou, em coletiva de imprensa, que alguns lhe acusem para "enfraquecer" a posição europeia nas negociações. "Temos muito trabalho e pouco tempo para perder com fofocas", acrescentou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP