Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Comisão Europeia, Jean-Claude Juncker

(afp_tickers)

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse à chanceler alemã, Angela Merkel, que o bloco europeu precisa "agora, mais do que nunca", de um governo alemão forte, ante "os importantes desafios globais", afirmou o porta-voz do Executivo comunitário.

Juncker "reiterou sua convicção de que, vistos os importantes desafios globais, a Europa precisa agora mais do que nunca de um governo forte, capaz de moldar ativamente o futuro de nosso continente", disse Margaritis Schinas, que confirmou que o presidente da Comissão conversou e enviou uma carta a Merkel.

"Em sua carta, o presidente Juncker expressa a convicção de que as negociações sobre o (futuro) governo de coalizão contribuirão para este efeito", completou o porta-voz, um dia depois da vitória apertada da influente chanceler alemã nas eleições legislativas.

Após sua quarta vitória consecutiva, Angela Merkel precisa formar uma nova coalizão, depois que seus atuais sócios de governo, os social-democratas, anunciaram que passaram à oposição. Os liberais e os Verdes aparecem como eventuais aliados.

As negociações podem durar meses. Até hoje, desde as primeiras eleições do pós-guerra, em 1949, o partido vencedor sempre conseguiu formar maioria e Merkel já descartou a possibilidade de um governo minoritário.

Se não conseguir formar uma nova coalizão, o governo pode convocar novas eleições.

A entrada da extrema-direita como terceiro partido em número de votos no Parlamento alemão amargou a vitória de Merkel, especialmente porque muitos votos do partido AfD vieram de eleitores contrários à política de recepção de migrantes promovida pela chefe de Governo da Alemanha em plena crise migratória.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP