Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Março) Manifestantes exibem fotos de Nisman, durante um protesto em Buenos Aires por justiça

(afp_tickers)

A junta médica de 15 peritos convocada pela promotoria argentina para esclarecer as circunstâncias da morte do promotor argentino Alberto Nisman entregou seu relatório final, com a dissidência dos especialistas que representam a família.

O relatório foi assinado por 13 dos 15 peritos, com os dois representantes da família do promotor se abstendo.

A promotoria aguarda agora os resultados das perícias criminalísticas e de informática para concluir se o caso foi um suicídio, suicídio induzido ou assassinato.

Nisman foi encontrado morto em 18 de janeiro com um tiro na cabeça no banheiro de seu apartamento.

O promotor investigava há uma década o atentado à sede da Associação Mutual Israelense Argentina (AMIA), que deixou 85 mortos e 300 feridos em 1994, em Buenos Aires.

Em um comunicado, o Corpo Médico Forense afirma que "o conteúdo (do relatório) é extenso e consiste em considerações médicas, respostas ao questionário e observações finais, referentes ao procedimento pericial".

A junta médica de peritos respondeu às 25 questões apresentadas pela promotora do caso, Viviana Fein.

A junta médica visava determinar, entre outras coisas, a hora da morte do procurador, uma vez que de acordo com a necropsia, teria ocorrido na manhã de 18 de janeiro, enquanto a acusação representada pela juíza Sandra Arroyo Salgado, ex-esposa do procurador, argumenta que a morte ocorreu na noite anterior.

Na noite de sábado, Nisman recebeu a visita de seu assistente Diego Lagomarsino, acusado no caso, mas apenas por ter emprestado a arma Bersa .22 que matou o procurador.

Arroyo Salgado argumenta que foi homicídio e acusa Lagomarsino.

Quatro dias antes de morrer, Nisman havia denunciado a presidente Cristina Kirchner e seu ministro das Relações Exteriores, Hector Timerman, de tentar encobrir ex-altos funcionários iranianos acusados de envolvimento no ataque à AMIA.

A acusação de Nisman, morto em janeiro passado, havia sido rejeitada em várias instâncias judiciais por "inexistência de delito" até ser negada e arquivada.

AFP